Inovações tecnológicas em revestimentos

Exiba imagens para confirmar leitura

A sustentabilidade tem sido pautada com frequência – e não à toa. O desenvolvimento deve ser capaz de suprir as necessidades atuais, mas sem comprometer as futuras gerações. Pensando nisso, as principais indústrias da construção civil vêm se mobilizando com avanços tecnológicos que garantem benefícios ao meio ambiente, desde a purificação do ar até a economia de água. Como? Confira os cases mais incríveis do ramo:

Purificação do ar

Cleantec, desenvolvido pelo Grupo Eliane, realiza um processo semelhante à fotossíntese, purificando o ar quando aplicado em fachadas. Além disso, a nanotecnologia – uma camada invisível a olho nu – apresenta uma combinação de decomposição de matéria orgânica e hidrofilicidade. Ou seja, a própria água da chuva ajuda a remover a sujeira da superfície do revestimento.

Uma casa com a fachada revestida com 150m² Cleantec purifica o ar em uma proporção equivalente a uma área verde de 910m². A mesma casa é capaz de purificar o ar poluído gerado por 12 carros percorrendo 30 km por dia.

Em ambientes internos, além de facilitar a limpeza, o produto reduz o crescimento de bactérias, fungos e micro-organismos que causam odor, mancha ou mofo, reduzindo o risco de doenças alérgicas. Isto porque é composto por metais antimicrobianos que, quando aplicado em ambientes internos, inibe a proliferação das principais bactérias que prejudicam a saúde.

Economia de água

Ainda sobre o Grupo Eliane: a empresa – em parceria com a Remaster – oferece o Tec Garden®. Trata-se de um sistema que reserva as águas das chuvas para irrigação sem utilização de energia elétrica, bombas ou qualquer tipo de mecanismo automático ou manual.

O sistema de irrigação funciona de maneira semelhante ao que acontece na natureza: a chuva penetra no solo, as águas são filtradas pelo sistema e ficam armazenadas no vão sob as placas. Se a chuva for intensa, um sistema de extra vazamento drena o excesso, não permitindo que o solo sature por muito tempo depois de cessada a chuva. Quando para de chover, a água do solo evapora ou é consumida pelas plantas, diminuindo a umidade do solo criando, assim, uma diferença de potencial.

Além de atuar como um lençol freático artificial sobre a laje, também pode ser aplicado como telhado verde – mas sem a necessidade de ficar restrito à utilização de vegetação rasteira, aceitando qualquer tipo de planta. A tecnologia contribui, também, para minimização de enchentes através do incremento da área verde e da reutilização da água proveniente das chuvas.

Diminuição de fungos e bactérias

Os pisos laminados Eucafloor Elegance, da Eucatex, possuem proteção antibacteriana Bacterban™, que inibe o crescimento e reprodução de fungos e bactérias na superfície do produto. Se utilizada a manta Eucasoft Premium na instalação, obtém-se, ainda, um melhor desempenho acústico.

Além disso, os laminados contam com um sistema de encaixe 5G, que permite que os pisos sejam encaixados de uma forma simples e prática, sobre a maioria dos pisos existentes. Entre os benefícios deste sistema de encaixe, está a instalação rápida (sem cheiro, barulho e sujeira), maior durabilidade, facilidade de limpeza e o conforto a qualquer temperatura.

Isolamento térmico e acústico

O tapete Revolution®, produzido pela by Kamy, é composto por materiais (97% vinil, 2% poliéster e 1% fibra de vidro) que fornecem isolamento térmico e acústico para o local aplicado. Apresenta, também, uma superfície que impede a retenção de sujeiras profundas, o que facilita a sua limpeza e conservação.

Fonte: Jornal Dia a Dia

Anúncios

Nova tecnologia permite otimizar em 10% produção de tomate

Resultado de imagem para produção de tomate

A partir de 2018 os produtores de tomate vão dispor de uma nova tecnologia –  NEC CropScope – desenvolvida em parceria pela NEC e pela Kagome, que através de recomendações de rega e fertilização (azoto) permite aumentar a produção em cerca de 10%.

A apresentação mundial desta tecnologia teve lugar no passado dia 25 de agosto, na Herdade do Caldas, Vila Franca de Xira, local em que está instalado o campo de ensaio de tomate, com seis hectares, onde nos últimos três anos NEC e a Kagome – que detém desde 2007 a Holding da Indústria Transformadora do Tomate (HIT, que agrega a FIT e a Italagro) – têm vindo a testar esta tecnologia.

João Subtil, responsável da Kagome pelo ensaio de campo afirmou que “esperamos uma produção de 130/140 ton/ha”, que compara com uma média de produção de 84 ton/ha em Portugal, segundo informação do diretor-geral da NEC Portugal.

As principais novidades desta solução, reconhece João Paulo Fernandes em declarações à VIDA RURAL, são “as previsões de produção e de data de colheita”, que ajudam não só o produtor e as suas organizações mas também a indústria, salientando durante a apresentação que o objetivo é “otimizar a produção e os seus custos, aumentando de forma significativa a produtividade média dos produtores de tomate, mantendo a qualidade do produto”.

O responsável da NEC Portugal adiantou ainda que a solução é integrável com outros equipamentos que o produtor já tenha instalados (sondas de humidade, estações meteorológicas, etc.) e que embora o preço ainda esteja em estudo “será um preço por hectare de produção e terá em conta os custos de exploração da cultura”.

Campos virtuais

A solução tecnológica usa tecnologias de IA (Inteligência Artificial) e IoT (Internet das Coisas) e o maneio da cultura é realizado com base em recomendações produzidas através de simulações efetuadas com recurso a Inteligência.

A NEC CropScope cria campos virtuais através de dados meteorológicos, de solo e de vegetação, obtidos através de sensores e, também, de dados relativos às atividades de campo efetuadas pelo produtor, tais como níveis de irrigação e utilização de fertilizantes (para já só azoto). Depois cria simulações de crescimento, com as quais faculta ao produtor informações customizadas em termos de cultivo do campo, tais como recomendação das quantidades de água e azoto que devem ser aplicadas, predição da produção final do campo ou da data mais apropriada para a colheita, entre outras.

A combinação de condições de produção e qualidade dos recursos humanos disponíveis em termos técnicos e científicos, levou a que Portugal fosse o país escolhido pela Kagome e pela NEC para o desenvolvimento e teste desta tecnologia.

A partir de 2018, a NEC irá comercializar esta solução a produtores de tomate em Portugal e noutros países. A empresa irá também facultar a empresas de processamento de tomate estimativas tanto de produção como da melhor data para a colheita, e irá ainda levar a cabo um teste visando a melhoria da eficiência no processamento de tomate.

Fonte: Vida Rural

Tecnologia automatiza manejo hídrico no campo

eco_42120-557012

CLAITON DORNELLES/JC

Os agricultores ganharam uma aliada e tanto para ajudar no mapeamento das demandas de irrigação do campo. A Irriger lançou, na semana passada, durante a Expointer 2016, uma plataforma para a gestão do manejo hídrico. O sistema permite o monitoramento em tempo real, tanto por meio sensores acoplados aos equipamentos como nas estações meteorológicas.
A ideia é que a tecnologia oriente com mais precisão o produtor a otimizar o uso dos recursos hídricos, o que se faz necessário diante do cenário atual do País, marcado por sérios problemas de distribuição de chuvas e abastecimento de água. “Essa ferramenta vai ajudar os agricultores a mapear as demandas de irrigação e acompanhar o rendimento dos sistemas adotados, o que traz reflexos como a redução de custos e o aumento da produtividade”, comenta o consultor técnico da Irriger, Bruno Ribas Batalha.
Os diversos sensores ligados à estação meteorológica, que fica em um pedestal instalado no campo, fazem o controle e posterior cálculo da perda de água. Já para identificar o que entra de água, via irrigação ou chuva, são instalados dispositivos nos equipamentos de irrigação.
Esses dados são coletados pela plataforma on-line, que gera, de forma simplificada e por escala de cor e gráficos, informações sobre a situação hídrica do campo. A conexão dos sensores com o computador é feita via celular – os dado são enviados para a nuvem. “O grande diferencial da nossa solução é essa conexão automatizada com o equipamento de irrigação, o que permite fazer toda programação a distância”, diz. O foco de comercialização desse sistema são desde campos a partir de 30 até mais de 2 mil hectares.
A plataforma para gestão de manejo hídrico é resultado de uma parceria entre a Irriger, empresa de consultoria voltada para engenharia e gestão da irrigação, e a Valley Irrigação. O Irriger Connect integra diversas ferramentas voltadas para engenharia e gestão, com funcionalidades como a de aferição e calibração dos equipamentos de irrigação, estação meteorológica automática e programa de treinamento.
Uma das funcionalidades é a que permite um planejamento mais adequado de irrigações. Isso é possível a partir da análise mensal do consumo de energia, que auxilia na redução de custos KWh, com a eliminação de multas tarifárias, enquadramento da demanda de acordo com a necessidade e maximização do uso do horário reservado (tarifa reduzida). O sistema também está ligado ao Field Commander, equipamento para gestão da operação dos pivôs, com monitoramento e automação remota, como liga e desliga, mudança de direção e velocidade.

Robô vai dar dicas para turistas durante Paralimpíadas

Mais de 500 usuários e 5 mil mensagens foram trocadas com o assistente virtual AskRio2016 durante as Olimpíadas, sistema que apresenta dicas de restaurantes, pontos turísticos, locais dos eventos na cidade olímpica, ferramenta de tradução e conversão de moeda. O sucesso da ferramenta de inteligência artificial, criada pela startup brasileira Harlio, fez com que os serviços fossem estendidos para os Jogos Paralímpicos, que acontecem de 7 a 18 de setembro, no Rio de Janeiro.
Com uma linguagem natural, o chatbot, um robô que trabalha 24 horas por dia, funciona como um assistente virtual que gerencia perguntas e respostas automaticamente sobre a cidade dos jogos.
“Uma das vantagens é que não há necessidade de download de aplicativos e você pode obter todas as informações necessárias apenas usando o Messenger, poupando a memória dos smartphones dos usuários”, explica um dos sócios da Harlio, Diego Ramiro. Ele explica que a conversa pode ser iniciada pelo perfil do Facebook (Messenger) através do login do usuário.
Em abril deste ano, o Facebook disponibilizou ferramentas para desenvolvedores de outras empresas criarem chatbots no Messenger, seu aplicativo de mensagens. A novidade representa um grande avanço sobre os aplicativos tradicionais com um custo de desenvolvimento 70% mais barato que qualquer aplicativo.
Fonte: Jornal do Comércio

Tecnologia de irrigação por gotejamento revoluciona produção de cacau

Países emergentes como Brasil, Índia e China comem cada vez mais chocolate.Foto: Divulgação

Países emergentes como Brasil, Índia e China comem cada vez mais chocolate.Foto: Divulgação

Por Carlos Sanches, Engenheiro Agrônomo e Gerente Agronômico da Netafim.
A crise hídrica impactou o abastecimento de produtos nos supermercados e isso assustou a população. A chuva veio, os reservatórios subiram (pouco, mas subiram), e os produtores rurais passaram a investir mais em tecnologia, ficaram mais preparados para novas crises.  Em meio a tudo isso, teve também o pânico do chocolate: vai faltar cacau ou não vai? Hoje o Brasil, a Índia e a China – os países emergentes – comem cada vez mais chocolate. E a seca maltratou sim as plantações. O mercado aponta que em 2014 houve mais consumo do que produção. Nosso país é o quarto produtor de cacau do mundo e ainda importa a matéria prima. O sul da Bahia tem a maior área plantada e lá está o mais inovador produtor de cacau do mundo: o Grupo Lembrance. Eles são pioneiros em produção de cacau nutrirrigado a pleno sol no extremo Sul baiano, fazendo divisa com os capixabas.
De cacau a futebol – que ambos são paixões dos brasileiros, um dos golaços do Grupo Lembrance foi à adoção da técnica de irrigação por gotejamento que consegue aumentar a produção de cacau em até 590%.
O número é tão bom que assusta. Mas é real. Assusta ainda mais, não é mesmo? Graças à nutrirrigação – prática responsável pelo expressivo aumento da produtividade – que funciona da seguinte forma: o produtor aplica os nutrientes necessários diretamente nas raízes do cacau. É uma lavoura preparada para alta produtividade e totalmente mecanizada. Essa tecnologia permite até a programação dos nutrientes de acordo com a necessidade da cultura e o período do ciclo. É mesmo fantástica.
Muitos produtores já estão adotando, mas ainda é preciso disseminar essa tecnologia, quebrar paradigmas, mitos e contar com o incentivo do nosso governo para ampliar a qualificação profissional, com mais crédito rural, campo e cidade sustentáveis.  E no plano perfeito, já considerando o cacau e o futebol, o produtor rural como o nosso herói anônimo, presente na vida da população urbana todos os dias, por ser o principal responsável pelo nosso alimento. Que o campo esteja sempre presente em nosso dia a dia.
Sobre a Netafim
Fundada há mais de 45 anos e com cerca de 30 subsidiárias em todo o mundo, a Netafim oferece as melhores soluções aos agricultores de mais de 110 países por meio 15 unidades produtivas, milhares de distribuidores e mais de 4.000 funcionários. No Brasil são três unidades: Campinas/SP, Ribeirão Preto/SP e em Cabo de Santo Agostinho/PE. O portfólio de produtos inclui sistemas completos de irrigação por gotejamento, microaspersão, controle e monitoramento automatizados, dentre outras.

ENTREVISTA: Sílvio Carlos Lima revela destaques da III Winotec

Com a 3ª edição agendada para os dias 9, 10 e 11 do mês de junho, o Winotec – Workshop Internacional de Inovações Técnicas em Irrigação será novamente em Fortaleza-CE, e espera reunir mais de 500 profissionais e interessados em inovações na irrigação. O encontro traz também a II Conferência Sobre Recursos Hídricos do Semiárido Brasileiro e conta com mais de dez palestrantes internacionais de diversos países, todos ligados ao setor de irrigação.

Idealizado pelo Instituto Nacional de Pesquisa e Inovação na Agricultura Irrigada – INOVAGRI, do Ceará, o evento deste ano está dividido em três temas: “Mudanças Climáticas: gestão dos recursos hídricos e adaptação da agricultura irrigada”, “Engenharia da Irrigação: desenvolvimento científico e tecnológico de equipamentos e processos” e “Gestão da Ciência e Tecnologia na irrigação: transferência do conhecimento e adoção pelos irrigantes”.

O WINOTEC tem como um de seus principais objetivos a geração de intercâmbios tecnológicos. “Buscamos sempre trazer palestrantes internacionais que, durante os quatro dias do evento, estão sempre em contato com os participantes brasileiros e assim podem combinar projetos conjuntos e parcerias futuras”, destaca Sílvio Carlos Ribeiro Vieira Lima, Diretor do INOVAGRI e um dos idealizadores do evento.

Confira abaixo a entrevista completa com o responsável pela organização do evento Sílvio Carlos Ribeiro Vieira Lima, do Instituto CENTEC/Instituto INOVAGRI.


  1. Qual o destaque do evento deste ano? Tema e/o profissional

O I WINOTEC (2007) e o II WINOTEC (2008) foram realizados com grande sucesso gerando a troca de conhecimento e experiências entre profissionais e estudantes de vários setores, consolidando a importância de eventos desse porte para o desenvolvimento dos profissionais da área.

Este ano o evento foi dividido em três temas principais:

DIA 09/06/2010 – Tema Mudanças Climáticas: gestão dos recursos hídricos e adaptação da agricultura irrigada

DIA 10/06/2010 – Tema Engenharia da Irrigação: desenvolvimento científico e tecnológico de equipamentos e processos

DIA 11/06/2010 – Tema Gestão da Ciência e Tecnologia na irrigação: transferência do conhecimento e adoção pelos irrigantes

Outro destaque é que teremos 12 palestrantes internacionais e são eles:

1) Luciano Mateos (IAS/CSIC) – Espanha;

2) Ronald Yoder (U. Nebraska);

3) Richard Allen (U. Idaho);

4) Tony Morse (U. Idaho);

5) José Maria Tarjuelo (UCLM) – Espanha;

6) Albert Clemmens (USDA – Arizona)

7) Helena Gómez-Macpherson (IAS – CSIC) – Espanha;

8 ) Christopher Neale (Utah State University);

9) Eduardo Hozapfel (Universidad de Concepción) – Chile;

10) Bruno Molle (CEMAGREF-França);

11) Linden Vincent – Wageningen – Holanda;

12) Robert Evans – ARS/USDA – MONTANA – USA


2. Qual a média de público esperada?

Esperamos presencialmente 500 participantes, pois é a capacidade do auditório onde será realizado o evento. Como acreditamos que a procura será maior, estaremos disponibilizando todas as palestras, ao vivo, via web, pleo site do WINOTEC, http://www.inovagri.org.br/winotec que será uma inovação em termos de evento do setor da irrigação.


3. Comente a expectativa desta edição do Winotec

O WINOTEC se tornou um evento com formato diferente dos grandes eventos do setor como o CONBEA e o CONIRD. No WINOTEC, todos os participantes assistem as mesmas palestras, pois só temos uma por vez. Não existem apresentações orais de participantes, somente de pôsteres.

Desta forma, com essa concentração nas palestras, conseguimos um melhor e maior debate.

Também ressalto que focamos o WINOTEC como um evento de geração de intercâmbios tecnológicos, pois buscamos sempre trazer palestrantes internacionais que, durante os quatro dias do evento, estão sempre em contato com os participantes brasileiros e assim podem combinar projetos conjuntos e parcerias futuras. Já temos excelentes resultados neste sentido como é o caso do Dr. Richard Allen (U.Idaho) que recebeu pesquisadores brasileiros para realizar Pós-doutorado em sua Universidade. O contato inicial que viabilizou isso foi feito nos eventos passados. Dr. Allen é uma das maiores autoridades em Evapotranspiração do mundo, pois é um dos autores do Manual 56 da FAO que serve de referência para todos os trabalhos nesta área. Dr. Allen veio nas duas versões anterirores do WINOTEC e virá novamente este ano. Em 2007, no I WINOTEC, foi a primeira vez que ele veio ao Brasil.


4. A escolha do local teve algum motivo específico?

Em 2007 foi em Sobral-CE, devido a criação do Laboratório de Ensaios em Equipamentos de Irrigação no Instituto CENTEC em Sobral.

Em 2008 resolvemos fazer em Fortaleza. Naquela ocasião, buscamos outros estados que tivessem interesse em levar o evento, porém, após uma reunião com vários palestrantes e participantes do evento de 2008, foi sugerido que se fizesse novamente em Fortaleza, mas de dois em dois anos.

Mais detalhes sobre o evento no site http://www.inovagri.org.br/winotec.

Redação Irrigazine – Vivian Lopes