Lindsay fará pré-lançamento de tecnologia de última geração para manejo de irrigação na Expodireto Cotrijal

Tem sido grande, nos últimos anos, a demanda dos produtores gaúchos por pivôs de irrigação. De 2008 para cá, houve um aumento de 75% no uso da técnica atingindo a marca de 175 mil hectares. Das lavouras com essa tecnologia no Rio Grande do Sul, a maioria é de milho, seguido pela soja, arroz e pastagens.

Diante desse grande potencial da região, a Lindsay América do Sul, escolheu a edição comemorativa de 20 anos da Expodireto Cotrijal, que acontece de 11 a 15 de março, em Não-Me-toque/RS para fazer o pré-lançamento de novas tecnologias para o FieldNET. Esta, que é uma ferramenta de gerenciamento sem fio totalmente integrada, agora ganha um suporte de decisão adicional e chega a um novo patamar com o FieldNET Advisor.

A novidade

A tecnologia é uma solução de irrigação inteligente que proporciona ao produtor o suporte necessário para acabar com as dúvidas na hora de irrigar e assim tomar decisões de manejo da irrigação com mais confiança. Em um único mapa ou exibição em lista, é possível visualizar as informações mais importantes de todas as áreas irrigadas, incluindo o esgotamento de água do solo, recomendação da próxima data de início da irrigação e lâmina a aplicar para evitar o estresse hídrico da cultura. Basta o produtor colocar o cronograma e as recomendações em ação com um simples toque de botão em um smartphone, tablet ou computador.

De acordo com Bruno Leite Teixeira Perroni, gerente de tecnologia da Lindsay, o FieldNET Advisor, simplificou a vida do produtor, pois reuniu mais de 40 anos de pesquisas acadêmicas, precisão de clima e solo, como a já conhecida tecnologia do FieldNET para gerenciar os pivôs. “Isso tudo parece complexo, mas não é. Hoje, para irrigar com confiança, é preciso somente uma plataforma ou aplicativo, o FieldNET. Ele envia as recomendações de irrigação e ainda programa automaticamente o pivô. O produtor precisa apenas aplicar o plano, e claro, tudo em uma mesma tela”, destaca.

Economia de água

Outro grande diferencial do FieldNET Advisor, é a preocupação com a água. Segundo o gerente de tecnologia, a ideia é aplicar realmente o necessário, permitindo que as plantas se desenvolvam sem entrar em estresse hídrico, atingindo o máximo do seu potencial produtivo. Mas, isso tudo, como foco em reduzir os custos com energia, e claro deslocamentos ao campo.

Clientes que já utilizam a ferramenta e seguem as recomendações, conseguiram aumentar a produção, e mais importante que isso, reduziram o consumo de água. “Temos casos com economia de 40%, claro que depende da forma que o produtor irriga. Porém, na média, a economia tem sido entre 15 a 20%, isso significa redução de água, energia e maior retorno financeiro ao produtor”, diz o profissional.

Com o FieldNET Advisor, o produtor também economiza tempo, pois a tecnologia fornece as recomendações e alertas do manejo de irrigação mais rápidos e mais fáceis de entender. “Com certeza o FieldNET Advisor é um grande diferencial da empresa. Nossa ideia é mostrar como é simples tomar boas decisões de irrigação e executá-las, sem sair da mesma tela. A Lindsay simplificou a vida do produtor, e é isso que vamos mostrar na feira”, destaca o gerente.

Novo conjunto de rodas

As inovações da Lindsay não se limitam apenas ao sistema de automação. A empresa também levará para a feira o novo conjunto de rodas para pivô central chamado NFTrax, agora chamado NFTrax 2.0, com novo desenho e opções de garras mais altas.

A solução não utiliza ar nas rodas e com isso nunca murcham e minimizam a formação dos sulcos, economizando tempo, mão de obra e custos de reposição. Essa tecnologia ajuda os pivôs a não parar por atolamento. “Essa é uma exclusividade Lindsay que supera as outras opções no mercado, pois como tudo que a empresa faz, é desenvolvido e pensado exclusivamente para benefício do produtor e uma das novas versões do NFTrax 2.0 conta com a opção de garras mais altas, uma demanda dos nossos clientes”, cita Perroni.

O gerente de tecnologia reforça ainda o convite para todos os clientes e parceiros que estiverem no evento para que visitem o espaço da empresa e vejam as suas tecnologias. “A Expodireto é uma das feiras mais importantes do calendário nacional e para nos dá Lindsay também é muito importante. Essa é uma região em que somos líderes de venda e nossos pivôs irrigam muitas lavouras ajudando o Rio grande do Sul se manter como um importante Estado na produção agrícola do Brasil. Nossa equipe de técnicos estará à disposição”, finaliza o profissional.

SERVIÇO

Expodireto Cotrijal
Dias: 11 a 15 de março
Horário: 09h às 17h
Local: RS 142, KM 24 – Não Me Toque-RS
Informações e Inscrições Gratuitas: http://www.expodireto.cotrijal.com.br

Anúncios

Showtec 2019 mostra novidades em tecnologias de irrigação

Resultado de imagem para showtec 2019A irrigação vem conquistando cada vez mais espaço entre os produtores brasileiros. No decorrer da edição deste ano da Showtec, principal feira do agronegócio do Mato Grosso do Sul, realizada em Maracaju, os visitantes puderam conhecer as últimas tendências tecnológicas do setor.

A feira contou com a presença de grandes marcas do agronegócio nacional, como a Valley, líder do segmento de irrigação. A empresa instalou um estande que esteve aberto ao público no decorrer dos três dias do evento.

De acordo com o gerente de assessoramento e projetos em irrigação da Copasul, revenda Valley da região de Maracaju, Cláudio Furukawa, o foco principal foi demonstrar na prática os diferenciais dos produtos da líder do setor.

“É a quarta edição consecutiva em que participamos da Showtec, e a cada ano comemoramos resultados melhores. Apresentamos a linha de painéis Icon, incluindo os modelos 1 e 10, montados em um pivô de exposição, que se movimenta e irriga, equipado com o X-Tec”, comenta Cláudio.

Os produtores rurais visitantes da feira também tiveram a oportunidade de fechar negócios com a Valley, representando uma importante abertura de mercado para os envolvidos. “A qualidade das consultas também vem crescendo a cada edição. São produtores que já atendemos em alguma fase dos seus projetos, que aproveitam a oportunidade para conhecer os equipamentos e as tecnologias in loco”, explica o gerente.

A Showtec permite, ainda, antecipar as tendências que prometem movimentar o mercado no ano que se inicia, especialmente na região do Mato Grosso do Sul, em que predominam as culturas tradicionais de soja, milho e feijão.

“A aceitação das tecnologias de irrigação tem sido muito satisfatória e aumenta a cada ano. Cada vez mais, a irrigação se consolida no Estado, com o crescimento dos períodos de veranico. Além disso, a possibilidade de reduzir os custos operacionais é um fator que vem deixando os produtores muito animados”, avalia Cláudio.

Um dos visitantes da Showtec que apostou na Valley como forma de aumentar a produtividade na região é Luís Alberto Moraes, que administra a fazenda Santo Antônio, em Maracaju. O produtor de soja acabou de instalar o seu primeiro pivô central Valley, e já se mostra otimista com o projeto.

“Tudo indica que a minha primeira safra irrigada vai trazer mais lucro para a propriedade. É muito importante a participação de feiras como a Showtec, porque o produtor consegue acessar a tecnologia e avaliar a sua utilização nas lavouras”, considera. “A Valley, particularmente, fez um trabalho relevante que oferece novas oportunidades para quem produz, abrindo portas para novas culturas e para a diversificação”, conclui Luís Alberto.

Fonte: Showtec

Inovações tecnológicas em revestimentos

Exiba imagens para confirmar leitura

A sustentabilidade tem sido pautada com frequência – e não à toa. O desenvolvimento deve ser capaz de suprir as necessidades atuais, mas sem comprometer as futuras gerações. Pensando nisso, as principais indústrias da construção civil vêm se mobilizando com avanços tecnológicos que garantem benefícios ao meio ambiente, desde a purificação do ar até a economia de água. Como? Confira os cases mais incríveis do ramo:

Purificação do ar

Cleantec, desenvolvido pelo Grupo Eliane, realiza um processo semelhante à fotossíntese, purificando o ar quando aplicado em fachadas. Além disso, a nanotecnologia – uma camada invisível a olho nu – apresenta uma combinação de decomposição de matéria orgânica e hidrofilicidade. Ou seja, a própria água da chuva ajuda a remover a sujeira da superfície do revestimento.

Uma casa com a fachada revestida com 150m² Cleantec purifica o ar em uma proporção equivalente a uma área verde de 910m². A mesma casa é capaz de purificar o ar poluído gerado por 12 carros percorrendo 30 km por dia.

Em ambientes internos, além de facilitar a limpeza, o produto reduz o crescimento de bactérias, fungos e micro-organismos que causam odor, mancha ou mofo, reduzindo o risco de doenças alérgicas. Isto porque é composto por metais antimicrobianos que, quando aplicado em ambientes internos, inibe a proliferação das principais bactérias que prejudicam a saúde.

Economia de água

Ainda sobre o Grupo Eliane: a empresa – em parceria com a Remaster – oferece o Tec Garden®. Trata-se de um sistema que reserva as águas das chuvas para irrigação sem utilização de energia elétrica, bombas ou qualquer tipo de mecanismo automático ou manual.

O sistema de irrigação funciona de maneira semelhante ao que acontece na natureza: a chuva penetra no solo, as águas são filtradas pelo sistema e ficam armazenadas no vão sob as placas. Se a chuva for intensa, um sistema de extra vazamento drena o excesso, não permitindo que o solo sature por muito tempo depois de cessada a chuva. Quando para de chover, a água do solo evapora ou é consumida pelas plantas, diminuindo a umidade do solo criando, assim, uma diferença de potencial.

Além de atuar como um lençol freático artificial sobre a laje, também pode ser aplicado como telhado verde – mas sem a necessidade de ficar restrito à utilização de vegetação rasteira, aceitando qualquer tipo de planta. A tecnologia contribui, também, para minimização de enchentes através do incremento da área verde e da reutilização da água proveniente das chuvas.

Diminuição de fungos e bactérias

Os pisos laminados Eucafloor Elegance, da Eucatex, possuem proteção antibacteriana Bacterban™, que inibe o crescimento e reprodução de fungos e bactérias na superfície do produto. Se utilizada a manta Eucasoft Premium na instalação, obtém-se, ainda, um melhor desempenho acústico.

Além disso, os laminados contam com um sistema de encaixe 5G, que permite que os pisos sejam encaixados de uma forma simples e prática, sobre a maioria dos pisos existentes. Entre os benefícios deste sistema de encaixe, está a instalação rápida (sem cheiro, barulho e sujeira), maior durabilidade, facilidade de limpeza e o conforto a qualquer temperatura.

Isolamento térmico e acústico

O tapete Revolution®, produzido pela by Kamy, é composto por materiais (97% vinil, 2% poliéster e 1% fibra de vidro) que fornecem isolamento térmico e acústico para o local aplicado. Apresenta, também, uma superfície que impede a retenção de sujeiras profundas, o que facilita a sua limpeza e conservação.

Fonte: Jornal Dia a Dia

Nova tecnologia permite otimizar em 10% produção de tomate

Resultado de imagem para produção de tomate

A partir de 2018 os produtores de tomate vão dispor de uma nova tecnologia –  NEC CropScope – desenvolvida em parceria pela NEC e pela Kagome, que através de recomendações de rega e fertilização (azoto) permite aumentar a produção em cerca de 10%.

A apresentação mundial desta tecnologia teve lugar no passado dia 25 de agosto, na Herdade do Caldas, Vila Franca de Xira, local em que está instalado o campo de ensaio de tomate, com seis hectares, onde nos últimos três anos NEC e a Kagome – que detém desde 2007 a Holding da Indústria Transformadora do Tomate (HIT, que agrega a FIT e a Italagro) – têm vindo a testar esta tecnologia.

João Subtil, responsável da Kagome pelo ensaio de campo afirmou que “esperamos uma produção de 130/140 ton/ha”, que compara com uma média de produção de 84 ton/ha em Portugal, segundo informação do diretor-geral da NEC Portugal.

As principais novidades desta solução, reconhece João Paulo Fernandes em declarações à VIDA RURAL, são “as previsões de produção e de data de colheita”, que ajudam não só o produtor e as suas organizações mas também a indústria, salientando durante a apresentação que o objetivo é “otimizar a produção e os seus custos, aumentando de forma significativa a produtividade média dos produtores de tomate, mantendo a qualidade do produto”.

O responsável da NEC Portugal adiantou ainda que a solução é integrável com outros equipamentos que o produtor já tenha instalados (sondas de humidade, estações meteorológicas, etc.) e que embora o preço ainda esteja em estudo “será um preço por hectare de produção e terá em conta os custos de exploração da cultura”.

Campos virtuais

A solução tecnológica usa tecnologias de IA (Inteligência Artificial) e IoT (Internet das Coisas) e o maneio da cultura é realizado com base em recomendações produzidas através de simulações efetuadas com recurso a Inteligência.

A NEC CropScope cria campos virtuais através de dados meteorológicos, de solo e de vegetação, obtidos através de sensores e, também, de dados relativos às atividades de campo efetuadas pelo produtor, tais como níveis de irrigação e utilização de fertilizantes (para já só azoto). Depois cria simulações de crescimento, com as quais faculta ao produtor informações customizadas em termos de cultivo do campo, tais como recomendação das quantidades de água e azoto que devem ser aplicadas, predição da produção final do campo ou da data mais apropriada para a colheita, entre outras.

A combinação de condições de produção e qualidade dos recursos humanos disponíveis em termos técnicos e científicos, levou a que Portugal fosse o país escolhido pela Kagome e pela NEC para o desenvolvimento e teste desta tecnologia.

A partir de 2018, a NEC irá comercializar esta solução a produtores de tomate em Portugal e noutros países. A empresa irá também facultar a empresas de processamento de tomate estimativas tanto de produção como da melhor data para a colheita, e irá ainda levar a cabo um teste visando a melhoria da eficiência no processamento de tomate.

Fonte: Vida Rural

Tecnologia automatiza manejo hídrico no campo

eco_42120-557012

CLAITON DORNELLES/JC

Os agricultores ganharam uma aliada e tanto para ajudar no mapeamento das demandas de irrigação do campo. A Irriger lançou, na semana passada, durante a Expointer 2016, uma plataforma para a gestão do manejo hídrico. O sistema permite o monitoramento em tempo real, tanto por meio sensores acoplados aos equipamentos como nas estações meteorológicas.
A ideia é que a tecnologia oriente com mais precisão o produtor a otimizar o uso dos recursos hídricos, o que se faz necessário diante do cenário atual do País, marcado por sérios problemas de distribuição de chuvas e abastecimento de água. “Essa ferramenta vai ajudar os agricultores a mapear as demandas de irrigação e acompanhar o rendimento dos sistemas adotados, o que traz reflexos como a redução de custos e o aumento da produtividade”, comenta o consultor técnico da Irriger, Bruno Ribas Batalha.
Os diversos sensores ligados à estação meteorológica, que fica em um pedestal instalado no campo, fazem o controle e posterior cálculo da perda de água. Já para identificar o que entra de água, via irrigação ou chuva, são instalados dispositivos nos equipamentos de irrigação.
Esses dados são coletados pela plataforma on-line, que gera, de forma simplificada e por escala de cor e gráficos, informações sobre a situação hídrica do campo. A conexão dos sensores com o computador é feita via celular – os dado são enviados para a nuvem. “O grande diferencial da nossa solução é essa conexão automatizada com o equipamento de irrigação, o que permite fazer toda programação a distância”, diz. O foco de comercialização desse sistema são desde campos a partir de 30 até mais de 2 mil hectares.
A plataforma para gestão de manejo hídrico é resultado de uma parceria entre a Irriger, empresa de consultoria voltada para engenharia e gestão da irrigação, e a Valley Irrigação. O Irriger Connect integra diversas ferramentas voltadas para engenharia e gestão, com funcionalidades como a de aferição e calibração dos equipamentos de irrigação, estação meteorológica automática e programa de treinamento.
Uma das funcionalidades é a que permite um planejamento mais adequado de irrigações. Isso é possível a partir da análise mensal do consumo de energia, que auxilia na redução de custos KWh, com a eliminação de multas tarifárias, enquadramento da demanda de acordo com a necessidade e maximização do uso do horário reservado (tarifa reduzida). O sistema também está ligado ao Field Commander, equipamento para gestão da operação dos pivôs, com monitoramento e automação remota, como liga e desliga, mudança de direção e velocidade.

Robô vai dar dicas para turistas durante Paralimpíadas

Mais de 500 usuários e 5 mil mensagens foram trocadas com o assistente virtual AskRio2016 durante as Olimpíadas, sistema que apresenta dicas de restaurantes, pontos turísticos, locais dos eventos na cidade olímpica, ferramenta de tradução e conversão de moeda. O sucesso da ferramenta de inteligência artificial, criada pela startup brasileira Harlio, fez com que os serviços fossem estendidos para os Jogos Paralímpicos, que acontecem de 7 a 18 de setembro, no Rio de Janeiro.
Com uma linguagem natural, o chatbot, um robô que trabalha 24 horas por dia, funciona como um assistente virtual que gerencia perguntas e respostas automaticamente sobre a cidade dos jogos.
“Uma das vantagens é que não há necessidade de download de aplicativos e você pode obter todas as informações necessárias apenas usando o Messenger, poupando a memória dos smartphones dos usuários”, explica um dos sócios da Harlio, Diego Ramiro. Ele explica que a conversa pode ser iniciada pelo perfil do Facebook (Messenger) através do login do usuário.
Em abril deste ano, o Facebook disponibilizou ferramentas para desenvolvedores de outras empresas criarem chatbots no Messenger, seu aplicativo de mensagens. A novidade representa um grande avanço sobre os aplicativos tradicionais com um custo de desenvolvimento 70% mais barato que qualquer aplicativo.
Fonte: Jornal do Comércio