Cultivo de mandioca irrigada por gotejamento produz durante ano todo em Acorizal

Resultado de imagem para mandioca irrigada

Mais de 110 pessoas de 13 municípios, entre produtores rurais, técnicos, pesquisadores e autoridades participaram do Dia de Campo da Mandioca Irrigada por gotejamento, no Sítio Koch, na área do produtor rural Ednilson de Souza Gomes, localizada no município de Acorizal. Com o plantio da mandioca da variedade Camanducaia em uma área de meio hectare (Cinco mil metros quadrados), numa Unidade de Referência Tecnológica (URT) apresentou uma produtividade de 17.778 quilos de mandioca em apenas seis meses.

O produtor rural Ednilson, conta que cultivar mandioca irrigada era uma ideia que se tornou um negócio rentável.  Em apenas um hectare de mandioca produz durante o ano todo. Ele fala que começou a vender 100 quilos de mandioca descascada e congelada. Hoje vende em média 400 quilos de mandioca descascada por semana, ou seja, 1.600 quilos de mandioca por mês a um preço de R$ 2,50 o quilo, o que rende para a família R$ 4.000,00/ mês.

O trabalho é executado pelo produtor e seu filho Yuri Kumakura que são responsáveis por todo processo, desde plantio, colheita e comercialização do produto no comércio de Cuiabá e Várzea Grande. “Cultivar mandioca irrigada era um sonho e não conhecia ninguém que utilizava essa técnica. Arrisquei o plantio com apenas três ruas com a variedade seringueira, para produção de farinha e o resultado foi muito bom com a colheita em apenas sete meses”, destaca Ednilson.

O sistema de irrigação é feito por gotejamento, durante duas horas e apenas duas vezes por semana (segunda e sexta-feira). A intenção do produtor é não aumentar a área cultivada, já que em apenas um hectare produz mandioca para comercialização o ano todo. Ele explica que não pretende aumentar a mão-de-obra e sim a produtividade e quer chegar neste ano, a vender por mês, dois mil quilos de mandioca descascada e congelada.

 

Os técnicos agropecuários da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Liduíno João de Lima e Pedro Carlos Carlotto implantaram uma Unidade de Referência Tecnológica (URT) de mandioca numa área de meio hectare. Foram cultivadas 4.900 covas de mandioca, e em seis meses o produtor colheu 17.778 quilos com casca e 11.270 quilos de mandioca descascada. Toda produção foi vendida sem casca por um preço de R$ 2,50 o quilo, gerando uma renda bruta de R$ 28.175,00, para a família do produtor rural.

O investimento foi de R$ 8.500,00 para instalação da URT, na compra de equipamentos para irrigação e no plantio das ramas. Saldando o investimento o produtor recebeu um total líquido de R$ 19.975,00.  A variedade Camanducaia é extremamente precoce, enquanto outras produzem entre 10 a 12 meses, essa em apenas seis meses estava pronta para colheita.

O jornalista Onofre Ribeiro e proprietário da Fazenda Palmeiras, localizada no município de Acorizal, possui plantio de eucalipto e criação de frango semicaipira. Interessado em inovações e tecnologias participou do Dia de Campo. Ele fala que já cultivou mandioca e o plantio irrigado por gotejamento é uma alternativa viável que pode gerar renda o ano todo.

Dia de Campo

Durante o Dia de Campo os participantes foram recepcionados com o tradicional “café da roça”, degustando as guloseimas elaboradas com produtos da pequena propriedade rural pela extensionista social, Lindelzi Lima. Em seguida, percorreram duas estações. Na primeira estação, o coordenador regional da Empaer, Vico Capistrano e o técnico agropecuário, Roberto Damasceno mostraram a implantação da URT e o desempenho da variedade precoce Camanducaia. Na segunda estação, Liduíno e Pedro destacaram o cultivo irrigado e a produtividade da variedade precoce.

O presidente da Empaer, Layr Mota da Silva, destacou que os técnicos e pesquisadores da empresa têm levado a sério o trabalho executado no campo, oferecendo aos produtores rurais tecnologia para melhorar a produção e garantir lucro e renda para a família rural. Mota enfatizou a participação dos agricultores dos municípios de Comodoro, Nobres, Juína, Diamantino, Rosário Oeste, Jangada, Nossa Senhora do Livramento, Barão de Melgaço, Planalto da Serra, Nova Brasilândia, Rondonópolis, Cuiabá e Várzea Grande.

Fonte: CenárioMT

Anúncios

Governo promove dia de campo sobre o cultivo da banana e da mandioca

O Governo do Estado, por meio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) promove nesta quinta (30), e sexta-feira (1º de dezembro), dias de campo sobre o cultivo irrigado da mandioca e banana, respectivamente, nos municípios de Figueirópolis e Cariri do Tocantins, sul do estado.

Mandioca
O dia de campo sobre a mandioca será realizado no Projeto de Assentamento Renascer, no município de Figueirópolis, local onde foi instalada uma unidade demonstrativa da cultura, e irá contar com palestras ministradas por especialistas no assunto.

De acordo com o gerente de Assistência Técnica e Extensão Rural, Edmilson Rodrigues, os temas que serão destaques nas palestras são: o cultivo da mandioca irrigada no Estado do Tocantins; o manejo de pragas e doenças; e o Projeto Reniva (Rede de multiplicação e transferência de manivas-semente de mandioca com qualidade genética e fitossanitária). “Na oportunidade, serão apresentados aos participantes os resultados da unidade demonstrativa, destacando as vantagens do cultivo utilizando a irrigação”, disse.

Ainda de acordo com o gerente, o dia de campo sobre a mandioca é ação do Projeto de Apoio ao Desenvolvimento de Boas Práticas Agrícolas nas Culturas de Arroz, Feijão e Mandioca, sendo coordenado pela Secretaria da Agricultura e Pecuária (Seagro), em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Ruraltins. O projeto atua em 32 Unidades de Referência Tecnológicas (URTs) distribuídas nos municípios localizados na região Centro-norte do Estado.

Banana irrigada
Já o dia de campo sobre a banana irrigada, Edmilson Rodrigues, destaca que será realizado na Fazenda Paraíso, município de Cariri, e contará com duas estações. “Na primeira estação serão abordados temas como, o mercado, o cultivo e as principais doenças da banana; na segunda estação serão abordados sobre irrigação, adubação e colheita da fruta”, acrescentou o gerente.

O evento é uma ação do convênio Pró-Campo, firmado entre o Governo do Estado, via Ruraltins, em parceria com o Mapa.

Conforme o responsável pelo convênio, o engenheiro agrícola, Crysthian Roberto, o Pró-Campo tem como objetivo suprir o órgão com equipamentos que facilitem a atuação dos extensionistas. “Por meio do convênio serão adquiridos 40 veículos e 40 ultrabooks, em contrapartidas o Ruraltins deverá fomentar a agricultura familiar, com capacitação dos agricultores, realizando seis dias de campo em três regionais do órgão, Taguatinga, Paraíso e Gurupi, podendo ser em qualquer atividade agrícola ou pecuária”, frisou o engenheiro agrícola.

Com o Pró-Campo mais de mil famílias de agricultores serão beneficiadas.

Fonte: Primeira Página

Produtores de cana conhecem benefícios da cultura da mandioca

00mandioca

Foto: Divulgação

Um grupo de produtores de cana dos municípios de Murici, Marechal Deodoro, Fleixeiras, Joaquim Gomes, Teotonio Vilela, Junqueiro, entre outros, participou de um encontro com técnicos da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri) para conhecer as potencialidades da cultura da mandioca. O evento foi realizado, em Arapiraca, na sede da Cooperativa Agropecuária de Campo Grande (Coopeagro).

Os produtores, que pretendem diversificar a produção da cana de açúcar com a cultura da mandioca, foram acompanhados por técnicos da Superintendência da Inclusão Produtiva da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri), onde conheceram de perto as vantagens da cadeia produtiva da mandioca.

Para o Superintendente da Seagri, Israel Moura, o incentivo do governo de Alagoas, por meio da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri), aos produtores que querem optar pela diversificação da cultura da mandioca, além de incentivar a produção vai, sobretudo, fortalecer a agricultura familiar nas regiões.

Como explica o técnico da Seagri, Nelson Vieira, que acompanhou o grupo, os produtores tiveram a oportunidade de conhecer o processo de industrialização da fecularia do Agreste, a viabilidade do setor e as vantagens da mandioca para o processo de diversificação.

Durante a visita à sede da Cooperativa Agropecuária de Campo Grande (Coopeagro), em Arapiraca, os produtores também tiveram a oportunidade de conhecer alguns produtos, como a goma, a fécula, polvilho doce, polvilho azedo e a farinha industrial.

Entre as vantagens da cadeia produtiva da mandioca em relação às outras culturas, apresentadas ao grupo de produtores de cana, estão a redução de custo, já que a semente é fornecida pela própria estrutura da planta, dispensa o uso de agrotóxico na manejo da cultura, aproveitamento integral da planta, mercado para demanda da produção, as folhas e ramos servem como fonte de proteína para o consumo animal, além da produção ser o ano inteiro.

 
Fonte: Agrolink