Controle remoto de pivôs de irrigação aumenta a praticidade no campo

Cada vez mais, a tecnologia torna-se um diferencial no campo, aplicada em produtos inovadores que oferecem soluções capazes de facilitar o dia a dia nas lavouras. No setor de irrigação, não é diferente: seguindo a nova tendência da internet das coisas (IoT, do inglês Internet of Things), a coleta e transmissão de dados a distância estão revolucionando a agricultura irrigada.

É nesse contexto que a Valley, que atua no segmento da agricultura irrigada por pivôs centrais, vem desenvolvendo produtos que fazem uso da tecnologia a serviço do campo, com o objetivo de possibilitar a irrigação mais fácil e eficiente, contribuindo para a economia de despesas e recursos e potencializando a rentabilidade.

Um desses produtos é o BaseStation3, a solução de gestão de irrigação que prioriza a praticidade e a automação dos pivôs centrais Valley. Com a plataforma, o produtor pode executar a gestão do seu sistema de irrigação a distância, sem precisar comparecer pessoalmente na fazenda, o que pode ampliar o grau de controle sobre os equipamentos, a qualquer momento e em qualquer lugar.

O BaseStation3 pode ser acessado a partir de qualquer computador, tablet ou smartphone, e permite que o produtor acompanhe em tempo real o funcionamento dos seus pivôs, independentemente da marca ou modelo.

Em Riachão das Neves, no oeste da Bahia, o BaseStation3 vem fazendo a diferença nas lavouras de soja, milho e algodão da fazenda Santana, comandada pelos irmãos Franciosi. Na propriedade que se estende por uma área ampla de 12.640 hectares, são quase 10 mil hectares irrigados, atendidos por um sistema que inclui 22 pivôs centrais Valley – todos equipados com o BaseStation3.

De acordo com o gerente da fazenda, Samuel Carvalho Pereira, a rotina no campo ficou mais prática após a instalação da plataforma, há cerca de dois anos.
“Os primeiros pivôs foram implantados na fazenda há seis anos, mas a diferença que o BaseStation3 fez na lavoura é muito notável. É muito proveitoso poder controlar tantos pivôs ao mesmo tempo, sem a necessidade de estar na fazenda pessoalmente. Além disso, não precisamos mais nos preocupar com a instabilidade do clima. Se chover, podemos desligar os pivôs remotamente, e monitorar a atividade de cada um a distância”, descreve.

Para o encarregado da irrigação da fazenda Santana, Douglas José Beuren, os benefícios do BaseStation3 vão além da praticidade. “É muito importante ter acesso a toda essa informação na palma da mão, e em tempo real. Fora a rotina, que ficou muito mais prática, também economizamos combustível e água. A nossa área é muito extensa, e é muito fácil cair no desperdício quando é necessário controlar quase 30 pivôs”, ressalta.

A utilização do equipamento conectado à internet e que oferece informação e controle a distância, levou o gerente Samuel a enxergar a tecnologia com outros olhos. “Estamos abertos a todas as novidades que envolvam a tecnologia. Tudo que vier para facilitar o dia a dia no campo é muito bem-vindo por aqui”, comenta.

Fonte: Grupo Cultivar

Anúncios

Em Brasília, ASPIPP tem primeira reunião com representantes do novo governo

Screenshot_1

A diretora Executiva da ASPIPP, Priscila Silvério Sleutjes, esteve nesta terça-feira (12), em Brasília, onde participou das primeiras discussões visando a formulação de uma agenda estratégica para o setor em 2019 com o Governo Federal. A reunião promovida pela Comissão Nacional de Irrigação da CNA Brasil contou com representantes de associações de irrigantes e das Federações de Agricultura, de representantes dos Ministérios do Desenvolvimento Regional (MDR) e da Agricultura e Abastecimento (MAPA) e parlamentares.

Este foi o primento contato da iniciativa privada do setor de irrigação com o novo Governo. “A iniciativa trouxe boas expectativas para o setor, na medida em que percebemos a dedicação do governo ao tema e, mais ainda, o desejo de avançar, ouvir e atender as demandas do setor”, avaliou Priscila Sleutjes. “Contudo, é necessário ainda que os ministérios definam papeis e atribuições, para que se alcance a efetividade tão pretendida pelo setor, dando maior celeridade às demandas do setor”, ponderou ela.

Governo Presente

Com a reestruturação governamental, a proposta é de que Política Nacional de Irrigação seja conduzida pelos dois ministérios, envolvendo diretamente nas ações as Secretarias Nacionais de Desenvolvimento Regional e Urbano (MDR) e de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação (MAPA), comandadas respectivamente por Adriana Melo e Fernando Camargo.

Ambos participaram do encontro e, nas manifestações reafirmaram o compromisso em estreitar relações com o setor produtivo e alavancar a agricultura irrigada no País, estabelecendo estratégias comuns entre os ministérios e otimizando as iniciativas que já estão dando certo, por ser a irrigação uma atividade propulsora do desenvolvimento regional, com impactos positivos na economia.

 

Da Assessoria de Comunicação | ASPIPP

(Com informações da CNA Brasil)

Intenções de compras no Show Rural Coopavel 2019 apresentam crescimento

Imagem relacionada

A Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas – CSMIA/ABIMAQ, divulga balanço com os resultados de seus associados que participaram da edição 2019 do Show Rural Coopavel e que responderam à pesquisa da entidade.

De acordo com o levantamento, as intenções de compras subiram em relação à edição do ano passado. Nos segmentos de máquinas para grãos o resultado foi 10% maior. No segmento de máquinas para pecuária houve um aumento de 12%. Já no segmento de armazenagem, o aumento foi de 6%. Na média ponderada, o aumento foi de 9%.

Os saldos dos recursos das linhas de financiamentos para investimento estão baixos. O Moderfrota deve durar até março/19, sendo necessário um aporte de R$ 3 bilhões. Outras linhas já estão praticamente esgotadas, como é o caso do PCA (linha para armazenagem) que necessita aporte de R$ 700 milhões. A linha Inovagro também precisa de aporte de R$400 milhões. Esta situação das linhas influencia diretamente na movimentação dos negócios.

De acordo com Pedro Estevão Bastos, presidente da CSMIA/ABIMAQ, o volume de intenção de negócios registrados no evento foi positivo na percepção dos fabricantes.

SC defende revogação de decreto que reduz descontos na energia elétrica no campo

Resultado de imagem para energia elétrica

A Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc) quer a revogação de decreto que reduz os descontos para a energia elétrica. Assinado ainda na gestão Michel Temer, o decreto 9.642/2018 reduz em 20% ao ano, a partir de 2019, os descontos cumulativos sobre a tarifa básica de energia no campo até zerar, o que deve acontecer em cinco anos. Segundo o presidente Luiz Vicente Suzin, em nota, a medida aumentará os custos da produção agropecuária.

O decreto manterá os descontos para irrigantes e aquicultores no horário reservado (de 21h30 às 6h), mas, conforme a Ocesc, os descontos sobre esse horário serão reduzidos: “de 10% para 8% no grupo A e de 30% para 24% no grupo B e acaba com a acumulação desses descontos na tarifa da irrigação e aquicultura noturna”. O “Grupo A Rural” é o que acessa a rede de alta tensão (maior do que 2,3KV), e o “Grupo B Rural” o conectado à rede de baixa tensão (menor do que 2,3KV).

Segundo a nota, as propriedades mais afetadas serão as do Grupo B Rural, porque a perda na acumulação dos descontos levará a aumento de 43% no preço da energia no horário reservado, “além da elevação anual de 8,5% no valor da energia elétrica no restante do dia pelos próximos cinco anos.”

Suzin afirma que o oeste catarinense sofre prejuízos causados por deficiências no fornecimento de energia, e que a má qualidade e o preço caro tornam a produção mais custosa.

Fonte: IstoÉ

Organização da Fenicafé apresenta novidades do evento em Araguari

Feira Nacional de Irrigação em Cafeicultura acontece de 19 a 21 de março

Fenicafé será realizada em Araguari — Foto: Fenicafé/Diuvulgação

Fenicafé será realizada em Araguari — Foto: Fenicafé/Diuvulgação

Organizadores da Feira Nacional de Irrigação em Cafeicultura (Fenicafé) apresentam, na noite desta segunda-feira (11), em Araguari, a estrutura da edição 2019 do evento.

A apresentação marca o início da programação da feira, marcada para acontecer de 19 a 21 de março. As novidades serão apresentadas à imprensa especializada e autoridades.

A Fenicafé atrai um público bem específico – produtores, pesquisadores, engenheiros, técnicos e estudantes que buscam conhecimentos na área de irrigação e cultivo de café. A expectativa de público é de aproximadamente 20 mil pessoas durante os três dias de evento.

Conforme a organização do evento, neste ano, a Fenicafé mira no futuro das novas plataformas tecnológicas utilizadas na cultura do cafeeiro. Além disso, é o local ideal para aprendizado e realização de negócios mirando a revolução pela qual o setor vem passando nos últimos anos. São mais de 80 expositores e volume de negócios deve ser superior a R$ 30 milhões.

Pesquisas e novidades

Paralelamente à feira ocorrem outros dois eventos. O primeiro é o 24º Simpósio Brasileiro de Pesquisa em Cafeicultura Irrigada. O outro á a 21ª edição da Feira de Irrigação em Café do Brasil.

O presidente da Associação dos Cafeicultores de Araguari (ACA), Claudio Morales, informou que o simpósio é visado por estudantes e pesquisadores, já que se trata de uma oportunidade para eles terem publicados seus artigos e teses no anuário do evento. Em breve serão abertas as inscrições para os interessados em participar do simpósio.

Já na Feira de Irrigação são apresentados diversos modelos de máquinas e serviços que podem ser utilizados em uma lavoura. Os expositores ocuparão uma área de mais de 5 mil metros quadrados montada no Pica-Pau Country Club.

“Esperamos alcançar em 2019 o mesmo sucesso dos anos anteriores, procuramos melhorar sempre e fazer cada ano melhor que o anterior”, garante Morales.