Governo adiciona verba para financiamento de máquinas agrícolas e impulsiona Agrishow

Resultado de imagem para maquinas agrícolas agrishow

Agrishow reuniu milhares de pessoas em Ribeirão Preto (SP) nesta semana que passou. É o maior evento brasileiro para venda de máquinas e equipamentos agrícolas. E, logo na abertura da feira, o governo liberou mais recursos para financiamentos, o que ajudou no fechamento de negócios.

O produtor rural de Sorriso (MT) Atílio Rovaria financiou duas máquinas na Agrishow. Foi um investimento de R$ 3 milhões, com o objetivo de otimizar o trabalho no cultivo de soja, milho, algodão, arroz e de feijão, de olho nas exportações.

“Nós da agricultura estamos sempre precisando de vários recursos, porque hoje o custo é muito alto. Com certeza, precisamos do apoio do governo”, disse.

Na feira, o governo federal anunciou um adicional de R$ 500 milhõesao programa de financiamento de maquinas agrícolas, o Moderfrota. O valor destinado a essa modalidade no último Plano Safra já tinha acabado.

“É uma iniciativa de apoio ao produtor em um momento em que a China está nos dando a oportunidade, a oportunidade enorme de comprar alimentos do Brasil”, avalia Alfredo Miguel, diretor de assuntos corporativos de uma fabricante de máquinas.

Fonte: G1

Anúncios

Governo: Porto Novo vai ser primeiro município coberto a 100% com sistemas fotovoltaicos de produção de água

Governo: Porto Novo vai ser primeiro município coberto a 100% com sistemas fotovoltaicos de produção de água

A previsão é do Ministério da Agricultura e Ambiente, que informa à Inforpress que os últimos sistemas já estão na fase de implementação, devendo ficar instalados dentro de dois a três meses, data em que todos os furos neste concelho estarão equipados com painéis solares.

Trata-se de uma medida, segundo o delegado do Ministério da Agricultura e Ambiente no Porto Novo Joel Barros, que terá “grande impacto” na redução dos custos de água, no alargamento da área irrigada e no aumento da produção agrícola.

Conforme este responsável, os sistemas fotovoltaicos para os quatro furos que restavam já foram adquiridos, e os trabalhos de montagem ficam concluídos ainda no decurso do primeiro semestre do corrente ano.

“Estamos perante um marco importante e um ganho extraordinário para Porto Novo, mas também para Santo Antão, no geral”, avançou Joel Barros, perspectivando o alargamento da área irrigada e o aumento de produção agrícola neste concelho “nos tempos mais próximos”.

A própria ilha de Santo Antão “caminha a passos largos” para ser a primeira em Cabo Verde totalmente coberta com sistemas fotovoltaicos para a produção de água para agricultura, estimou, recentemente, o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva.

Gilberto Silva informou que já existe em Santo Antão uma área “muito grande” coberta com sistemas fotovoltaicos para a produção de água para a irrigação, podendo esta ilha ficar, “dentro de pouco tempo”, completamente abrangida com este tipo de sistemas, com impacto na redução do custo de água e no aumento da área irrigada.

Fonte: A Semana

Governo libera R$ 82 milhões para irrigação do Agreste

Ministro Gustavo Canuto se reuniu com o governador de Pernambuco

Ministro Gustavo Canuto libera verbas para irrigação do Agreste. Foto: Divulgação/Palácio do Planalto

Na última quarta-feira (20), o Ministério do Desenvolvimento Regional anunciou a liberação de R$ 82 milhões para obras da Adutora do Agreste. O empreendimento usa o projeto de transposição do rio São Francisco para levar água a regiões de seca no Nordeste.

O presidente Jair Bolsonaro elogiou a ação nesta quinta-feira, reproduzindo a notícia através das redes sociais. O ministro Gustavo Canuto deu mais detalhes sobre a liberação da verba. Ela será destinada à construção de aquedutos que partem do rio e desviam parte de sua corrente para cidades afastadas.

– Em pré-operação, a Adutora do Agreste leva as águas do Eixo Leste do Projeto São Francisco para quase 400 mil pessoas no interior do estado de Pernambuco. Ao todo, o Eixo Leste do Projeto São Francisco já garante o abastecimento regular de água para um milhão de pernambucanos e paraibanos – defendeu o ministro.

Fonte: Pleno News

Crise hídrica: até sede do governo terá que economizar água em Brasília

22452495923_49d30a131e_z-e1474494703752

Foto:Nilson Carvalho/Agência Brasilia

Do Palácio do Buriti, sede do governo local, às empresas públicas. Todos os órgãos da administração direta e indireta do Distrito Federal terão que diminuir em, no mínimo, 10% o consumo de água em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo o secretário-chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, “cada prédio vai eleger um gestor das medidas e, quem não cumprir as medidas, pode sofre punição mais severa, que é a exoneração. No entanto, acredito que não chegaremos a esse ponto. As pessoas estão engajadas”.

O decreto que determina o racionamento nos edifícios públicos foi publicado ontem (quarta, 21) no Diário Oficial do DF. Sendo assim, está proibido lavar ruas, calçadas e fachadas dos prédios; pátio, garagens e veículos com tempo inferior a vinte dias; e irrigação de jardins das 9h às 16h. Dentre as responsabilidades do gestor responsável pelo corte no consumo da água e de seus colegas estão: a verificação de vazamentos de torneiras e encanamentos; o uso de água para limpeza em baldes ou equipamentos que sejam comprovadamente mais econômicos; e a regulação de válvulas, inclusive descargas de banheiros.

Para fiscalizar as ações dos servidores, a Companhia de Abastecimento do DF (Caesb) publicará mensalmente na internet o consumo individual de cada órgão e entidades do governo. Em breve, ainda serão lançadas outras normas, pela Secretaria de Planejamento, para que as determinações sejam cumpridas.

Economia nos postos

Os postos de gasolina da cidade sofrerão restrições e também terão que se adequar. Está proibido a irrigação dos jardins e o uso de água nas limpezas de para-brisas feitas por frentistas. Os estabelecimentos também terão que trocar o maquinário das estruturas de lava a jato por equipamentos mais modernos, que consomem menos água.

Segundo Sérgio Sampaio, este “é o momento de dar o alerta, de avisar à sociedade o que estamos vivenciando no Distrito Federal e convidar a todos a um consumo mais responsável para que não falte, efetivamente, água para ninguém”.

Crise hídrica

O risco de racionamento de água em Brasília, que foi antecipado pela Revista Congresso em Foco, tornou-se realidade há cerca de uma semana. Desde então, diariamente, algumas regiões do DF têm o fornecimento cortado para o restabelecimento do nível em reservatórios. O baixo nível de captações, o aumento do consumo de água e a escassez de chuva são os principais motivos.

O nível dos principais reservatórios de água do Distrito Federal (Descoberto e Santa Maria) chegou ao menor percentual desde 1987, ano em que começou a ser medido. As bacias são responsáveis pelo abastecimento de 85% da população do Planalto Central. A Barragem do Descoberto, localizada a cerca de 70 km do centro de Brasília, está com apenas 37,7% do volume útil de água, enquanto o reservatório de Santa Maria (cerca de 40 km do centro) tem cerca de 49%, por exemplo – segundo dados da Adasa desta quarta.

Devido à escassez de chuvas, a Agência Reguladora de Águas (Adasa-DF) declarou na segunda-feira (19) estado de alerta para a capital. Com isso, o governo está autorizado a suspender a emissão de autorizações para uso dos recursos hídricos superficiais, ou seja, para fins que não sejam extremamente necessários, e orienta a população a evitar o uso de água tratada para lavar carros e garagens, para irrigação paisagística e para encher piscinas.

Fonte: Boa Informação

Governo garante pagamento integral do seguro rural de 2014

Medida atenderá mais de 50 mil agricultores em todo país

Todas as apólices subvencionadas pelo Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) contratadas no ano passado já têm autorização para serem integralmente pagas no exercício financeiro de 2015.

A medida atende mais de 50 mil agricultores em todo país e possibilita o recebimento de parte dessas operações. Elas estavam pendentes e têm valor de R$ 300 milhões. O texto foi sancionado pela presidenta Dilma Rousseff e publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (22).

Os recursos da subvenção correspondem à suplementação orçamentária aprovada no final de 2014, que não puderam ser empenhadas no tempo devido.

Para que isso se concretizasse houve o empenho do governo, em especial da ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e da área econômica, na busca de uma solução para efetivar o compromisso assumido com os agricultores no ano passado.

“Esse ato da presidenta Dilma, em ano de ajustes na economia, demonstra a seriedade do governo no cumprimento de seus compromissos. A medida reforça a credibilidade para o seguro do produtor”, saudou a ministra Kátia Abreu.

A medida vai permitir que os produtores nessa situação possam ser efetivamente amparados por meio da subvenção econômica ao seguro rural, com montante correspondente a cerca de 5 milhões de hectares de área agrícola em todas as regiões do país.