Sistema de irrigação movido a energia solar reduz gastos com eletricidade

Resultado de imagem para valmont agrishow

A valmont apresentou o sistema de irrigação movido a energia solar, que é alimentado através de placas instaladas na propriedade. A tecnologia garante reduzir os custos com a energia elétrica e torna viável a irrigação em áreas que ainda não tem eletricidade.

De acordo com o gerente de engenharia e serviços  Valmont Brasil, Vinicius Melo, os pivôs de irrigação contam com um sistema de ajuste que permite a aceleração controlada do motor, na qual pode variar entre 1 a 136 RPM. “Nós estamos criando dois conceitos, um é o torque a qualquer tempo e anda o dobro de velocidade de qualquer pivô tradicional, já o segundo é de passagem rápida que pode ser utilizado para fertilização e adubar”, destaca.

Outro lançamento feito para melhorar o setor da irrigação, foi o novo painel ICON que é controlado exclusivamente por um aplicativo. “Tudo que o agricultor precisa é ter flexibilidade do controle de cada equipamento e esse sistema permite isso que pode programar todas as operações dos equipamentos de irrigação”, ressalta.

Fonte: Marcas e Máquinas

Anúncios

Energia solar e irrigação têm garantido produção de polpa de frutas no Sertão

Foto: Reprodução/ TV Paraíba

Um produtor rural de Água Branca, no Sertão da Paraíba, tem mudado a paisagem do local e garantido emprego e renda apenas se utilizando das técnicas certas. Genildo Vieira, 65 anos.

Ele tem uma produção de polpas de frutas na propriedade, e para poder garantir a continuidade do negócio em uma terra seca e quente, ele utiliza a técnica de irrigação por gotejamento.

Enquanto muitos esperam pela chuva para poder plantar, a propriedade de Genildo é irrigada o ano inteiro. A água, retirada de poços, é salgada, mas para garantir uma melhor qualidade do líquido para a irrigação, é usado esterco de animais em torno da planta, para ajudar a filtrar a água.

Na propriedade de mais de 60 hectares, o produtor cultiva frutas. São 600 pés de mangas, 280 de goiabas, 200 de acerola e 5 mil pés de maracujá. Quando termina uma colheita, se inicia outra e isso tem gerado emprego e renda para muitos agricultores da localidade.

Depois de colhidas, as frutas são processadas e transformadas em polpas e armazenadas em duas câmaras frias com capacidade para 40 toneladas de produtos.

Só que para manter essa produção, o custo estava saindo muito caro. A conta de energia superava os R$ 2 mil mensais. Foi então que seu Genildo decidiu instalar placas de energia solar no telhado da casa. A ideia tem garantido energia desde a irrigação da planta, até a parte de condicionamento das polpas, graças ao sol do Sertão.

 

Projeto de irrigação com energia solar é apresentado para agricultores na PB

energia-solar-irrigação-governo-do-estado-2-556x417

Foto: Divulgação

O trabalho de produção de hortaliças ecológicas usando energia solar para a irrigação desenvolvido pelo jovem Demison da Silva Costa, na Comunidade Antas do Sono, município de Sobrado, no Agreste, está servindo de modelo na região.

Para conhecer as atividades do produtor, um grupo de 16 agricultores familiares assistidos pela Emater dos municípios de Sobrado, Sapé e Cruz do Espírito Santo, conheceu esta nova fonte de energia, que apresenta custos reduzidos no consumo.

O jovem agricultor trabalhava como garçom em João Pessoa. Insatisfeito com a atividade que exercia, muitas vezes trabalhando até tarde da noite, decidiu retornar ao lugar onde nasceu e, na propriedade de seus familiares, iniciou a plantação ecológica de hortaliças numa área com menos de um hectare, onde há três anos vem cultivando alface, coentro, cebola, hortelã e espinafre.

Para irrigação do plantio de forma ordenada, ele usa água de um poço artesiano anteriormente construído. Toda a produção de hortaliças para a comercialização, ele entrega em pontos específicos nas feiras livres da região.

Energia solar – Contemplado com um dos 90 Kits de energia solar distribuídos pelo Governo do Estado no começo deste ano, Demison da Silva Costa recebeu em sua comunidade os agricultores, que conheceram os benefícios na utilização deste sistema de energia, usando com eficiência em seu projeto de irrigação por micro aspersão.

Os agricultores visitantes constataram que o sistema de energia solar traz uma grande economia com relação à energia convencional no custo final de produção.

O sistema de irrigação utilizado pelo agricultor é de 720 litros de água por hora, permitindo assim seu cultivo.

O projeto dispõe de placa solar, reservatório, bomba, filtro e rede de distribuição com linhas de mangueira, levando a água para irrigar.

“A grande vantagem é com relação ao custo e beneficio. O projeto chega às famílias que não dispõem de energia convencional”, afirmou o agrônomo Jamaci Ferreira de Vasconcelos, da Emater Regional de João Pessoa.

O interesse dos agricultores em conhecer o projeto partiu da iniciativa aprovada no Conselho de Desenvolvimento Rural Municipal.

Na ocasião, os agricultores estavam acompanhados dos extensionistas José Dinarte Lobato, do escritório da Emater de Sobrado, e de José Gilson, Luiz Lima e Marta Fernandes, da Emater de Sapé.

Recentemente, o Governo do Estado firmou parceria com o Banco do Nordeste disponibilizando um montante de recursos da ordem de R$ 50 milhões em cinco anos para atender a demanda por projetos para instalação de projetos de energia solar.

Caberá a Emater elaborar e encaminhar ao banco todos os projetos técnicos de financiamento, conforme a demanda das famílias agricultoras.

Os agricultores familiares terão uma carência de três a cinco anos para fazer o pagamento do seu financiamento.

Nos sistemas solares fotovoltaicos o agricultor tem muitas vantagens, já que a energia é gerada pelo Sol, tendo custos pequenos como a manutenção, por exemplo.

O corpo técnico da Emater e Emepa está preparado para orientar e atender as famílias agricultoras paraibanas, como informou o presidente da Gestão Unificada Emepa/Interpa/Emater vinculada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap), Nivaldo Magalhães.

FONTE: Da Redação com Secom/PB

Energia solar para produzir água no deserto

De acordo com o World Resources Institute, em 2040 33 países deverão estar enfrentando estresse hídrico extremo, tornando a corrida para desenvolver soluções inovadoras mais necessária do que nunca. Ap Verheggen tem estado na vanguarda destes desenvolvimentos por alguns anos. Depois do conceito SunGlacier – uma folha gigante alimentada por energia solar que produz água no deserto, seu novo protótipo é chamado WaterDrop, um dispositivo movido a energia solar portátil que produz água potável a partir da condensação. Ap reconhece que o conceito ainda está longe de ser realidade, mas a tecnologia solar tem tido grandes avanços nos últimos anos, por isso vale a pena conhecer a ideia.

 

“Se a temperatura sobe, o ar contém mais água”, diz Ap em seu blog. “Normalmente, temperaturas mais altas também implicam em mais sol. Então, por que não se concentrar em captar a água do ar, utilizando apenas energia solar? Desta forma, água potável e água para a agricultura tornam-se disponíveis na maioria das partes secas do planeta. “

Esse é o pensamento por trás do WATERDROP e dos outros conceitos movidos a energia solar propostos por Ap. Os módulos fotovoltaicos do lado de fora do dispositivo absorvem a energia solar durante o dia. Essa energia seria então usada para produzir condensação através do resfriamento do ar e para alimentar um ventilador. As gotas de água seriam então armazenadas em uma pequena cisterna. Ap recomenda a incorporação de pequenas pedras na cisterna para adicionar sais minerais à agua. A bica no final é um filtro a base de carbono, que pode ser substituído.

“Eu sei que ainda é ficção científica”, diz Ap, “mas com certeza, a evolução das células fotovoltaicas e o desenvolvimento de materiais que armazenam o frio da noite para ajudar a resfriar a entrada de ar durante o dia, são apenas uma questão de tempo”.

Fonte: Ecotopia

Energia solar é alternativa para captação de água no campo

00039db755a457b8edd83392507fe13e_M

A região sudeste do Brasil enfrenta atualmente um dos períodos de mais intensa escassez de água da história. Apesar de as chuvas terem voltado, continuam insuficientes para o abastecimento tanto dos reservatórios quanto para o uso doméstico e irrigação. Para reverter essa situação e não comprometer a vida social e econômica dos cidadãos nem dos produtores rurais da região, a solução pode estar na energia solar.

Uma boa e eficaz alternativa para a escassez de água das chuvas, é a utilização dos lençóis freáticos principalmente para a agricultura, um dos setores que mais consome água no mundo. A nova técnica consiste na utilização de bombas de irrigaçãosubmersas movidas a energia solar, que trazem à superfície a quantidade de água necessária para o uso do agricultor rural.

Além de sustentável, a técnica garante o fornecimento de água com constância e impede a escassez do recurso durante todos os períodos e estações do ano. Os equipamentos podem ser instalados em poços ou cisternas, são de fácil instalação e sua durabilidade é tão grande quanto a promessa de garantir água “eternamente”.

O produto já está em alta e pode ser encontrado no mercado facilmente, pois possui uma estrutura simples e componentes que são comuns a qualquer loja especializada em produtos rurais ou de jardinagem. A técnica não precisa ser exclusiva de ambientes rurais, podendo também ser instalada em zonas urbanas – em casas, reservatórios, bebedouros e tanques de água, por exemplo.

É preciso, no entanto, atentar-se às exigências do produto. Como trata-se de uma tecnologia movida à fotossensibilidade, é imprescindível que as placas de captação da energia solar sejam alocadas em lugares que tenham alta exposição aos raios do sol. Além disso, é necessário que o local comprovadamente tenha um lençol freático para a extração da água que será utilizada, além do aval do órgão público competente para o uso da tecnologia.

Esses tipos de sistemas de irrigação, principalmente os que funcionam com energias renováveis e através de técnicas sustentáveis, têm sido mais utilizados ao redor do mundo. Em regiões de climas áridos e semi-áridos, como no Nordeste brasileiro e em alguns pontos do Centro-Oeste, a energia solar e a utilização de bombas de irrigação tornou-se mais comum, já que a alta incidência de raios solares ocorre em quase todo o ano e os lençóis freáticos são bem recorrentes.

O painel solar é encontrado em diversos tipos de lojas e pode ser comprado para as mais diversas ocasiões, estando disponível em centenas de modelos e em diferentes faixas de preços. As bombas movidas a energia solar também podem ser encontradas nos mais diversos aspectos. Pesquise o melhor preço e modelo para você e não fique sem essa nova tecnologia que só está trazendo benefícios para quem a adquire.