Visitantes da Agrishow podem acompanhar apresentações de tecnologias inovadoras na arena de demonstração de campo

Uma das atrações da Agrishow 2018, a Arena contará com demonstrações em tempo real, em dois horários
Resultado de imagem para agrishow 2018

Arena de Demonstrações de Campo da Agrishow 2018 – 25ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação será um verdadeiro show de tecnologia agrícola. Com curadoria da Coopercitrus, tem o intuito de oferecer conhecimento e fomentar o uso de ferramentas inovadoras no campo, que resultem em crescimento produtivo, rentável e sustentável para os produtores rurais. A feira será promovida entre os dias 30 de abril e 4 de maio, em Ribeirão Preto, SP.

Com duas apresentações diárias (às 10h e às 14h), a programação da Arena de Demonstrações de Campo terá início no dia 1º de maio e se estenderá até o dia 4 de maio, e contará com apresentações de máquinas, implementos e tecnologias. Em uma arquibancada coberta, os agricultores poderão acompanhar em tempo real, em transmissão ao vivo em telões de alta definição, como as tecnologias funcionam dentro das máquinas, além de apresentações de vídeos didáticos sobre seus benefícios.

O acesso à Arena é pela Avenida G, Rua 14, a Arena de Demonstrações de Campo da Agrishow apresentará diversas tecnologias, como o Geofert, serviço de amostragem de solo georreferenciada, em que são coletadas informações com o apoio de um moderno e tecnificado quadriciclo; a carreta a taxa variável que permite realizar a correção do solo de acordo com a necessidade; o VANT, que possibilita o manejo correto da lavoura, uma vez que realiza o diagnóstico de falhas existentes no campo por meio de imagens precisas e de alta resolução e a Sistematização, que permite realizar o planejamento de plantio e colheita.

Ainda na Arena, os produtores rurais poderão conhecer a plantadora Precision Planting, com controlador de sementes V Drive, que posiciona a semente em espaçamentos regulares, evitando a colocação de sementes duplas no solo e falhas no plantio; o pulverizador autopropelido, com corte automático de seção, que garante economia no uso de defensivos, evitando a sobreposição e falhas na pulverização, o que resulta no maior rendimento dos defensivos; o WeedSeeker, que utiliza sensores que capturam a presença de plantas verdes e envia um sinal para ativar a aplicação do produto no local exato, além do drone de pulverização, utilizado na aplicação para controle de pragas e ervas daninhas localizadas pontualmente dentro da lavoura e o drone de imagem, cuja câmera especial auxilia na identificação da situação da lavoura dando suporte na tomada de decisão de manejo.

A 25ª Agrishow terá ainda outras atrações, como a Arena de Conhecimento, palco de informações atualizadas e conteúdo relevante sobre os principais temas que norteiam o agronegócio, e o Memórias do Campo, espaço para os amantes de tratores, com uma exposição de tratores antigos.

A feira é uma iniciativa das principais entidades do segmento no país: Abag – Associação Brasileira do Agronegócio, Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Anda – Associação Nacional para Difusão de Adubos, Faesp – Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de São Paulo e SRB – Sociedade Rural Brasileira. O evento é organizado pela Informa Exhibitions, integrante do Grupo Informa, um dos maiores promotores de feiras, conferências e treinamento do mundo com capital aberto.

 

Mais informações:
AGRISHOW 2018 – 25ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação 
Data: 30 de abril a 4 de maio de 2018
Local: Rodovia Antônio Duarte Nogueira, Km 321 – Ribeirão Preto (SP)
Horário: das 8h às 18h
www.agrishow.com.br

Anúncios

Startups lançam nova era no campo com agritechs

O agronegócio experimenta nova era. A inovação tecnológica invade o campo e provoca outros paradigmas, proporcionando ganhos de produtividade e resultados melhores. De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), nos últimos dois anos, quase quadruplicou a quantidade de startups (empresas nascentes de base tecnológica e alto potencial de crescimento), ligadas à agricultura – as chamadas agritechs, ou agtechs. Hoje, estima-se que haja cerca de 200 no país, muitas delas incubadas em universidades, com dedicação ao desenvolvimento de soluções em agricultura de precisão, monitoramento de lavouras e automação de equipamentos.

Há exemplos clássicos de avanços tecnológicos, principalmente entre grandes produtores: os tratores agrícolas vêm equipados com diversas tecnologias, como GPS, e agricultura de precisão que diminui as deficiências de processos. As máquinas agrícolas têm equipamentos que mensuram todo o trabalho a ser feito e geram relatórios para melhorá-los. Uma adubadeira sabe metro a metro a dosagem certa, mapeia as variações de qualidade do solo e passa informações que permitem regular a máquina para cada situação.

Minas Gerais, com sua diversidade de clima e bioma e agricultura diversificada, é um laboratório para que as empresas possam investir e pesquisar. “Muitos produtores compram máquinas e não usam nem 10% de toda a tecnologia disponível”, diz Pierre Santos Vilela, superintendente do Instituto de Pesquisa e inovação do sistema Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg) .
Em novembro do ano passado, o sistema Faemg, por meio do Instituto Antonio Ernesto de Salvo (Inaes), lançou o projeto Novo Agro 4.0, que conecta startups e universidades com o agronegócio, com o propósito de identificar e fomentar iniciativas que gerem tecnologias de ponta para o desenvolvimento do agronegócio. Segundo o presidente do sistema Faemg, Roberto Simões, é o marco de uma nova era do agronegócio: “não conseguiremos sozinhos a solução para esses problemas. Precisamos contar com a tecnologia e com os jovens para criar um sistema novo, real, sustentável e igualitário”.

O projeto identifica demandas do produtor rural e busca soluções para aumentar ganho de produtividade e competitividade. Pierre Santos Vilela disse que o conceito genérico de startup é uma empresa que tem uma tecnologia baseada em informação, comunicação e inovação, “normalmente ela rompe com bastante força os meios tradicionais de fazer e conduzir processos e tem alto potencial de rápido crescimento em termo de adoção e disseminação de tecnologias”.

Não se trata de inovação tecnológica tradicional, como a biotecnologia, genética, mas de comunicação, de forma a otimizar processos e produtos. A iniciativa tem por meta aproximar dois grupos inovadores (criadores dessas tecnologias) do usuário final que é o produtor, abrindo caminhos para que eles conversem e facilitem o processo de adoção e disseminação dessas tecnologias.

O grande desafio no campo é eliminar a lacuna existente entre o desenvolvimento da tecnologia e sua chegada ao usuário final. A instituição quer mostrar ao produtor que existem meios inovadores e a seu alcance de interferir no processo de gestão, manejo, com impactos no custo da produção.

Do celular

A própria Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) estimula novidades no mercado de aplicativos. Nova versão do aplicativo Doutor Milho, lançado há um ano, será apresentada ao público durante a 30ª edição do evento Show Rural Coopavel, de hoje a sexta-feira na cidade paranaense de Cascavel. A Embrapa Milho e Sorgo, de Sete Lagoas, na Região central de Minas, estará presente na feira que conta com mais de 500 expositores dispostos em uma área de 720 mil m².

A instituição considera a escolha da semente certa meio caminho andado para o sucesso de qualquer lavoura de milho. O novo aplicativo auxiliar os produtores no momento da opção pela semente mais adaptada à determinada região. Eles podem fazer consultas off-line sobre as cultivares de milho disponíveis atualmente no mercado a partir de um banco de dados que reúne informações técnicas cedidas por todas as empresas sementeiras.

Para o pesquisador Israel Alexandre Pereira Filho, da Embrapa Milho e Sorgo, o objetivo da equipe desenvolvedora é oferecer melhorias constantes ao aplicativo, e ele destaca que, nessa nova versão, atende a todas as 239 cultivares recomendadas para as safras 2017/2018 (verão e safrinha) já estão disponibilizadas no app. Com isso, o produtor, por meio do seu dispositivo móvel, poderá entrar em contato com as mais modernas tecnologias de sementes de milho, facilitando a escolha da cultivar mais adequada para o clima, solo e objetivo de uso.

Prejuízo com os dias contados

As perdas na agricultura por deficiências na irrigação podem estar com os dias contados. Várias pesquisadores vêm estudando tecnologias capazes de eliminar problemas com os sistemas usados nas lavouras. A falha no fornecimento de energia e a má distribuição da água, por exemplo, muitas vezes só são percebidos pelo produtor quando a safra está perdida ou não corresponde às expectativas quando do plantio.

Lucas Teixeira Moura Soares, da Agrowet de Montes Claros, no Norte de Minas, conta que há 20 anos um dos sócios da empresajá percebia muitas deficiências no sistema tradicional de irrigação. “Eram muitas as deficiências de gestão, como o acompanhamento remoto. Algo que ocorria em todo o país”. Há dois anos, um grupo de cinco pessoas formado por engenheiros de produção, computação, mecânico, de controle e automação e um empresário do ramo agrícola decidiram construir solução com o objetivo de reduzir o consumo de água nas propriedades.

O primeiro passo foi a inscrição no programa Fiemg Lab, da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), que tem como objetivo transformar ideias inovadoras em negócios e produtos. Em paralelo, eles se inscreveram em outro programa, o Hubine, do Banco do Nordeste, que os levou a um intercâmbio em Israel, país referência em irrigação e território que sofre problemas de escassez da água semelhantes aos do semiárido do Norte de Minas.

Foi, então, que o grupo criou a tecnologia de monitoramento que consiste em uma central abrigada na sede da propriedade e que se liga a um aplicativo que permite ao agricultor monitorar e receber alertas de qualquer irregularidade de funcionamento em qualquer parte do mundo. O sistema encontra-se em fase de validação, tendo sido instalado como iniciativa-piloto em algumas propriedades. “Em algumas delas, já registramos a redução do consumo de água de 40%”, revela Lucas Soares.

Sobre as dificuldades operacionais, Lucas Soares revela que não encontrou muitos problemas: “O homem do campo hoje está muito antenado e vi uma pesquisa que indica que 67% das propriedades rurais têm acesso à internet”.

O acesso à internet foi uma das preocupações dos fundadores da Next Agro. “Nem sempre a internet funciona plenamente no campo, por isso optamos por instalar no painel central do pivô o monitoramento a partir de mensagem do SMS do celular. Mesmo com falta de energia, ele funciona”, explica Lucas Simão Santiago, um dos sócios da startup. O produto lançado pela empresa, também destinado à irrigação, aporta uma mini-estação meteorológica, permitindo ao operador do sistema prever a quantidade de água e tempo de uso do equipamento.

Ano passado foi de validação tecnológica, com 10 controladores instalados em meia dúzia de cidades, no Centro-Oeste de Minas Gerais e a aceitação tem sido muito boa, de acordo com o empresário. “Estamos apresentando inovação e isso sofre restrição no meio rural como em qualquer outro meio”. Durante esse processo (de validação) são medidos efeitos e defeitos a ser incorporados ou corrigidos. “Nosso desafio é demonstrar que é acessível”. Segundo Lucas Santiago, o custo do controlador de um pivô gira em torno de R$ 6,7 mil. O cliente vai pagar mensalidade de R$ 80, que inclui parte de manutenção do sistema de SMS de alerta, de dados e previsão do tempo. (EG) 

Pivô central

Pivô central é um equipamento para irrigação de grandes culturas, em média 60 hectares (equivalente a 70 campos de futebol). Os pivôs têm braços de irrigação, sendo que alguns deles alcançam 1,2 quilômetro, com diversas torres de apoio. A água chega na torre central e é bombeada por meio da energia elétrica, às diversas torres de apoio que se movem escalonadamente.

Fonte: Em.com

 

Governo promove dia de campo sobre o cultivo da banana e da mandioca

O Governo do Estado, por meio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) promove nesta quinta (30), e sexta-feira (1º de dezembro), dias de campo sobre o cultivo irrigado da mandioca e banana, respectivamente, nos municípios de Figueirópolis e Cariri do Tocantins, sul do estado.

Mandioca
O dia de campo sobre a mandioca será realizado no Projeto de Assentamento Renascer, no município de Figueirópolis, local onde foi instalada uma unidade demonstrativa da cultura, e irá contar com palestras ministradas por especialistas no assunto.

De acordo com o gerente de Assistência Técnica e Extensão Rural, Edmilson Rodrigues, os temas que serão destaques nas palestras são: o cultivo da mandioca irrigada no Estado do Tocantins; o manejo de pragas e doenças; e o Projeto Reniva (Rede de multiplicação e transferência de manivas-semente de mandioca com qualidade genética e fitossanitária). “Na oportunidade, serão apresentados aos participantes os resultados da unidade demonstrativa, destacando as vantagens do cultivo utilizando a irrigação”, disse.

Ainda de acordo com o gerente, o dia de campo sobre a mandioca é ação do Projeto de Apoio ao Desenvolvimento de Boas Práticas Agrícolas nas Culturas de Arroz, Feijão e Mandioca, sendo coordenado pela Secretaria da Agricultura e Pecuária (Seagro), em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Ruraltins. O projeto atua em 32 Unidades de Referência Tecnológicas (URTs) distribuídas nos municípios localizados na região Centro-norte do Estado.

Banana irrigada
Já o dia de campo sobre a banana irrigada, Edmilson Rodrigues, destaca que será realizado na Fazenda Paraíso, município de Cariri, e contará com duas estações. “Na primeira estação serão abordados temas como, o mercado, o cultivo e as principais doenças da banana; na segunda estação serão abordados sobre irrigação, adubação e colheita da fruta”, acrescentou o gerente.

O evento é uma ação do convênio Pró-Campo, firmado entre o Governo do Estado, via Ruraltins, em parceria com o Mapa.

Conforme o responsável pelo convênio, o engenheiro agrícola, Crysthian Roberto, o Pró-Campo tem como objetivo suprir o órgão com equipamentos que facilitem a atuação dos extensionistas. “Por meio do convênio serão adquiridos 40 veículos e 40 ultrabooks, em contrapartidas o Ruraltins deverá fomentar a agricultura familiar, com capacitação dos agricultores, realizando seis dias de campo em três regionais do órgão, Taguatinga, Paraíso e Gurupi, podendo ser em qualquer atividade agrícola ou pecuária”, frisou o engenheiro agrícola.

Com o Pró-Campo mais de mil famílias de agricultores serão beneficiadas.

Fonte: Primeira Página

Irrigação melhora desempenho do feijoeiro no campo e agrega produtividade

Resultado de imagem para irrigação feijão

José Roberto de Menezes, consultor em Manejo de Sistemas Tropicais irrigados trouxe informações sobre a irrigação do feijoeiro. O feijão é uma hortaliça de consumo regional, todo povo tem o seu feijão. O Brasil consome 250 mil sacas de feijão por dia e a agricultura irrigada tem um papel fundamental na produção de feijão no Brasil.

Através da irrigação é possível regularizar a oferta de feijão, melhorar a qualidade da cultivar produzida e reduzir o custo. A irrigação tem todos os condicionantes favoráveis para melhorar a qualidade do feijão, além de criar um desenvolvimento da cultura e proporcionar um ambiente favorável de colheita, ou seja, produzir mais e de melhor qualidade.

Como por exemplo: 1kg de feijão irrigado, produz de 4/5 kg de feijão cozido, enquanto o feijão de chuva e cerqueiro produz de 3/4 kg de feijão cozido.

A produtividade média de cerqueiro no Brasil é de 550kg por hectare e a produtividade de 2.400kg por hectare. Mais de 5 vezes a produtividade média.

A lavoura irrigada consome 30% a menos nutrientes que a lavoura de cequeiro, já que durante o período de veranico não há absorção de nutrientes.

Para José Roberto o modelo de irrigação mais adequado para o Brasil é o complementar, que estimula a irrrigação para corrigir os prejuízos no período de veranico. O Brasil tem na região central tem de 2/3 veranicos por 7 dias no ano e a cada 3 anos um veranico de 21 dias. Reduzindo mais de 50% o potencial produtivo das lavouras no Brasil.

Goiás, parte do Mato Grosso e São paulo são regiões adequadas para a irrigação, já que possuem um grande potencial de desenvolvimento.

A agricultura irrigada possui custo de 7/8 mil por hectare, ou seja, um hecatre irrigado, no Vale de Araguaia e outros rios, vai custar de R$20.000, enquanto cerqueiro (Paraná, algumas regiões do Mato Grosso), vai custar R$30.000.

Hoje o Brasil desperdiça mais de 200 dias de sol e temperatura favorável e a irrigação pode corrigir isso. O feijão irrigado de terceira safra tem uma série de vantagens, e uma dar certezas é que não terão perdas.

A lavoura de feijão é a que mais tem pago o custo dos equipamentos de feijão no Brasil.Para obter um retorno do investimento da irrigação, vai depender do custo de feijão. Seriam necessários de 3/4 anos, para cobrir os custos.

Todos os projetos irrigados aumentam a vazão do rio, é uma maneira economicamente viável. A irrigação é uma necessidade para o Brasil disiciplinar a oferta de água.

Hoje é possível ter variedades de ciclo de 85/90 dias e ciclo curto de 65/70 dias. Custo de irrigação gira em torno de 400/500 por hectare (custo de energia elétrica e manutenção de feijão). Ou seja, 4/5 sacas de feijão por hectare. Enquanto o aumento de produtividade é mais de 2 mil kg.

O consultor José Roberto finaliza afirmando que o Brasil precisa exportar com qualidade, para ter um horizonte de mercado de 4/5 anos. Exportar o  excesso é prejuizo, é preciso ter consciência a longo prazo, parar criar um bom mercado.

 

Por: Aleksander Horta e Bruna Fernandes
Fonte: Notícias Agrícolas

Previsão de safra recorde no Brasil renova aposta no campo

1357391978

Foto: Divulgação

As chuvas das últimas semanas favorecem o plantio e o campo renova sua aposta na produção de grãos. Após um ano quebra, o ciclo 2016/17 retoma o viés de alta e quer recuperar a produção perdida para o clima em 2015/16. Puxado por soja e milho, o volume total tem potencial para superar 215 milhões de toneladas, produção igual à inicialmente previsto para a campanha anterior, que teve seu desempenho prejudicado pelo clima.

A diferença este ano está justamente no clima. Mais favoráveis, as condições climáticas devem devolver a produtividade e o potencial produtivo das lavouras. A soja, depois de dois anos de tentativas, deve romper a barreira das 100 milhões de toneladas. E o milho (1.ª e 2.ª safras), depois de um tombo de 8 milhões de toneladas, volta à casa dos 80 milhões de toneladas. No caso da soja, junto com a produção cresce a exportação e a industrialização do grão.

No milho, o investimento é para recompor os estoques e atender à demanda para aves e suínos, que segue em alta. Por outro lado, mesmo que timidamente, é necessário reabastecer as exportações. Em 2015 o Brasil embarcou quase 30 milhões de toneladas do cereal. Em 2016 deve ficar perto de 20 milhões, resultado da escassez provocada pela produção menor. E também pela falta de planejamento do país, no campo e no mercado, que não conseguiu atender à demanda e aproveitar a oportunidade de abastecimento interno e exportação.

Nessa linha, depois de oito anos em queda, resultado da competição com a soja, a área do milho de verão (1.ª safra) volta a ter variação positiva. O cultivo aumenta principalmente no Sul, onde é forte a demanda para a indústria de carnes. Em outras regiões a aposta no milho cresce basicamente por conta das cotações, que continuam sustentadas na relação bastante justa de oferta e demanda.

As previsões iniciais são da Expedição Safra Gazeta do Povo, que volta a campo este mês para estimar, acompanhar e discutir junto com a cadeia produtiva os rumos da nova temporada. O primeiro roteiro irá conferir o resultado da safra dos Estados Unidos, que entra na metade final da colheita. Na próxima semana uma equipe vai percorrer os principais estados do Corn Belt, o Cinturão do Milho norte-americano. Em paralelo, uma segunda equipe inicia o monitoramento do plantio no Paraná e Mato Grosso, em roteiros que seguem por 16 estados brasileiros.

A soja sozinha responde por quase metade da produção total de grãos no Brasil. Junto com o milho, na safra 2016/17 os dois produtos vão representar entre 84% e 86% da produção nacional. Nos Estados Unidos, a soja tem potencial para mais de 110 milhões e o milho 380 milhões de toneladas.

Na Argentina
Vizinhos e concorrentes do Brasil na produção e exportação de grãos, na semana passada os produtores argentinos receberam uma notícia não muito boa do governo nacional. O Poder Executivo suspendeu uma nova redução sobre o imposto cobrado na exportação de soja em grão que seria aplicada em 2017, as chamadas retenciones.

O presidente Maurício Macri resolveu voltar atrás no cronograma de redução da tarifa. Quando assumiu o comando do Executivo, em dezembro de 2015, ele zerou as taxas sobre as exportações de milho e trigo e reduziu o imposto da soja de 35% para 30%. À época o governo tinha anunciado que a soja teria uma redução gradativa com a promessa de o imposto chegar a zero em sete anos.

Com fertilidade natural dos solos, o que reduz o uso de fertilizantes, e uma das logísticas mais favoráveis à exportação entre as regiões produtoras da América do Sul, o país teria uma das agriculturas mais competitivas do continente, não fossem as retenciones.