Saiba quais são os principais erros que causam elevação no custo de produção de café

Dicas para reduzir os custos na produção de café - Imagem retirada do FreePik.jpg

A produção de café no Brasil cresceu 56% em volume e apenas 34% em faturamento bruto nos últimos dez anos, de acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O engenheiro agrônomo e diretor da Hydra Irrigações, Elídio Torezani, explica que os altos custos de produção do café e os longos períodos de preços baixos são os principais fatores que desmotivam os produtores deste segmento.

“É preciso investir em processos que levem à melhoria da qualidade do grão do café e a ganhos de produtividade, para que se obtenha melhor rentabilidade”, afirma Torezani.

Ele ressalta ainda que um dos processos que podem favorecer muito estas melhorias, otimizando o uso dos recursos e aumentando a efetividade das ações agronômicas, é a irrigação com um bom manejo. “Tanto a falta quanto o excesso de água podem comprometer a sanidade das plantas e gerar perdas no cultivo. Por isso, a irrigação adequada é uma solução para fornecer umidade e nutrientes na quantidade exata”, diz.

O engenheiro agrônomo esclarece que alguns erros na hora de irrigar o cafezal devem ser evitados. Ele pontua as principais falhas dos produtores:

  • Manejo incorreto: fazer as programações de aplicação de água no momento e na quantidade errados;
  • Desperdício de fertilizantes: utilizar o recurso de forma indevida, seja pelo exagero ou pela escassez.
  • Falta de auxílio de uma equipe especializada no manejo da irrigação de café: ausência de orientação sobre os processos na hora de irrigar e os consequentes reflexos agronômicos nas plantas.

Serviço:

Evento: 12º Simpósio Estadual do Café

Data: 25/9/19 (quarta-feira)

Local: Auditório do Centro de Comércio de Café de Vitória, na Enseada do Suá, em Vitória

Onde se inscrever: www.cetcaf.com.br

Anúncios

Mais água para 280 produtores rurais

Em tempos de estado de alerta com a baixa umidade relativa do ar e a ausência de chuvas, o desperdício de água torna-se ainda mais preocupante. Por isto, a ideia é um melhor aproveitamento desse recurso natural. Na área rural, por exemplo, o Governo do Distrito Federal investe na construção de canais subterrâneos de irrigação. Resultado: além de evitar a perda de cerca de 50% do volume de água, que corria nos antigos canais a céu aberto, a nova tubulação possibilita a distribuição de forma igualitária a todos os produtores.

“Além de economizar, os canais agora podem oferecer água para os produtores em qualquer época do ano. Quem não estava produzindo, voltará a produzir”, afirma o subsecretário de Desenvolvimento e Abastecimento Rural, Odilon Vieira Júnior. O governo está empenhado na ação. Em seis meses, 18,3 km de ramais foram feitos em todo o Distrito Federal.

No último semestre, as intervenções atingiram seis canais de irrigação do DF. Os canais nos núcleos rurais de Santos Dumont, em Planaltina; Buriti Vermelho e Lamarão, no Paranoá; e, Rodeador, em Brazlândia, já foram concluídos. As obras, agora, avançam em Tabatinga (Planaltina) e Capão Comprido (São Sebastião). “Os trabalhos devem triplicar a produção de frutas e hortaliças, principalmente, e aumentar a produção de grãos no Distrito Federal”, afirma o secretário de Agricultura, Dílson Resende.

Aumento da produção
Mais de 280 agricultores foram beneficiados com as ações deste semestre. Eduardo Azeredo, que é produtor rural em Tabatinga, é um deles. Há 26 anos no local, ele resistiu bravamente às temporadas de seca e com a falta d’água. “O plantio aqui era apenas direto e a gente torcia para vir a chuva. No ano em que ela não aparecia, a gente perdia tudo”, lembra.

Agora, porém, ele sonha em expandir os negócios. “Com a ajuda do pessoal da Emater-DF, vou construir quatro estufas para a produção de hortaliças e mais um tanque oval. Vamos ampliar a produção de galinhas caipiras e, quem sabe?, até investir na produção de peixes”, conta.

Na propriedade dele, que possui pouco mais de cinco hectares, Eduardo se concentra na criação de aves poedeiras, que produzem de quatro a cinco dúzias de ovos, diariamente. “No ano passado, plantei trigo, mas deu prejuízo, por conta das chuvas. Neste ano, com a regularidade da água, quero investir em algo certo. Afinal, tiro, dessa terra, o sustento da minha família”, explica.

Segundo o planejamento de Eduardo, os lucros vão ampliar bastante com a diversificação dos produtos. “Com a estufa, o que eu tiro em um ano, praticamente, vou tirar em um mês”, avalia.

Obras mais baratas
Com os ramais subterrâneos, a economia não é só de água, não. O governo também está consumindo menos recursos financeiros para executar os serviços nas áreas rurais. É que os trabalhos estão sendo executados em parceria, numa união dos órgãos de governo e a comunidade rural.

A Caesb, por exemplo, adquire os tubos pela tarifa de contingência; a Seagri fornece maquinário e os operadores; a Emater realiza os projetos e acompanha os trabalhos com o corpo técnico; e a associação de usuários dos canais contribui com a aquisição de material e mão de obra para confecção das caixas de passagem.

“Com esse formato, a economia é de mais de 80%”, explica Edivan Ribeiro, assessor técnico da Seagri. Segundo ele, nos canais de Tabatinga, por exemplo, o governo já destinou cerca de R$ 800 mil em emendas parlamentares. “No total, vamos usar R$ 1,2 milhão apenas para concluir 10 km de toda a rede do canal”, avalia.

Para se ter uma ideia dos valores economizados, o técnico cita um exemplo de obra similar realizada em 2013. “Fizemos apenas 200 metros de tubulação com uma empresa do ramo e pagamos à época, R$ 1 mil por metro. Agora, nesse sistema de distribuição de tarefas, o valor do metro caiu para cerca de R$ 120”, explica.

Fonte: Agência Brasília

Produtos Agrícolas: como usar a tecnologia para aumentar a produtividade?

Resultado de imagem para produtos agricolas

O valor bruto da produção agropecuária (VBP) está estimado em R$ 564,3 bilhões para este ano, de acordo o Ministério da Agricultura.

Os produtos agrícolas mais produzidos no Brasil e exportados são: soja, milho, algodão, carne, café, cana-de-açúcar, laranja, mandioca, arroz, cacau e tabaco. Tornando-se uma vocação para exportação de commodities, especialmente de gêneros alimentícios.

Para continuar produzindo os principais produtos agrícolas exige avanço em tecnologia, manejo, boas práticas e gestão da propriedade rural.

As melhores práticas de cultivo, com o uso de tecnologia e a boa gestão são itens que colaboram para o aumento da produtividade. O agricultor pode aplicar algumas técnicas para intensificar a produtividade dos produtos agrícolas.

Tecnologia melhora produtividade dos produtos agrícolas

Em pleno ano de 2019, é impossível falar em aumento de produtividade sem citar o uso da tecnologia. O uso de ferramentas modernas ajuda a melhorar o produto colhido, evitar perdas, otimizar o trabalho e diminuir o impacto ambiental causado pela produção.

Um dos instrumentos facilitadores é o drone, que pode ajudar na hora de detectar áreas improdutivas, bem como fazer o mapeamento das plantações. Isso é essencial para identificar áreas que possam estar sendo acometidas por pragas ou que precisam de irrigação, por exemplo.

Boa gestão do empreendimento

Outro ponto essencial para aumentar a produtividade, é investir na gestão do empreendimento. O uso de softwares de gestão agrícola ajuda no melhor gerenciamento da lavoura, desde a hora de identificar a melhor data para o plantio, até o cuidado com a plantação.

Com uma boa gestão, terá um melhor controle também da data correta para colheita, de quando deve adubar o solo, do uso de defensivos e até da comercialização dos produtos.

Recursos de irrigação

O manejo da irrigação feito de forma correta é essencial para o aumento da produtividade. Por isso, toda propriedade deve ter um projeto de irrigação detalhado.

Nele, devem constar todos os recursos necessários para a implantação da irrigação, bem como a área a ser irrigada, tipo de cultura, necessidades especiais do solo e alterações climáticas frequentes na região. Com todos esses dados, o produtor rural terá mais facilidade em melhorar o sistema de irrigação e, consequentemente, obter um melhor resultado na hora da colheita.

Controle de doenças e pragas

Doenças e pragas causam grandes perdas na produtividade. Por isso, devem ser controladas de forma eficiente, para evitar que a produção de produtos agrícolas seja afetada de forma negativa.

O uso de produtos químicos, sempre de acordo com a instrução do fabricante e uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual).
Uma alternativa é uso de controle biológico, um equilíbrio mais natural para controle de pragas e fertilização da planta.
Produtos químicos ou biológicos para combate a pragas tem como objetivo proteger a lavoura, aumentar a produtividade e a qualidade do produto agrícola.

Capacitação dos trabalhadores

Para que todos esses procedimentos sejam realizados de forma correta e eficaz, eles devem ser realizados por pessoas qualificadas. Por isso, para aumentar a produtividade, é preciso investir em treinamento da equipe.

Assistência técnica no campo

Quem quer aumentar a produtividade precisa investir também em assistência técnica presente no campo. Um profissional poderá orientar e estabelecer sobre todos os pontos abordados como a data para a irrigação, qual o melhor adubo, como combater as pragas agrícolas de forma mais sustentável ou não entre outros.

Assim, para melhorar a qualidade dos produtos agrícolas, a produtividade e consequentemente o rendimento obtido, é necessário contar com especialistas, tecnologia e mão de obra preparada para o trabalho.

Fonte: Terra

Plantio irrigado aumenta mais de 200% em MT nos últimos nove anos, diz IBGE

Plantio irrigado cresce mais de 200% em MT — Foto: Reprodução/TVCA

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística apontam que plantio irrigado aumentou 214%, nos últimos 10 anos, no estado. Atualmente, a agricultura irrigada ocupa uma área de quase 80 mil hectares.

Dividida em culturas a distribuição de áreas é a seguinte:

  • Algodão – 5.944 ha
  • Arroz – 4.360 ha
  • Feijão – 65.864 ha
  • Milho – 3.767 ha

O gráfico abaixo representa a evolução da agricultura irrigada no estado, em hectares. Dados são referentes a julho deste ano.

Evolução da agricultura irrigada em MT
10 anos
Hectares25.46525.46531.01031.01035.81335.81357.43057.43049.38049.38049.26949.26953.00553.00550.21750.21740.97840.97879.93579.9352010201120122013201420152016201720182019020k40k60k80k100k
Fonte: IBGE

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) é a responsável por liberar as licenças de funcionamento para este tipo de sistema. Nos últimos nove anos liberou 227 licenças , mas apenas 198 estão vigentes.

Desde 2014 as licenças vencem num prazo de seis anos. Depois disso, é preciso fazer a renovação de uso.

Entretanto, alguns fatores impedem que o plantio irrigado cresça ainda mais. Entre eles, a energia elétrica. Por isso, muitos produtores costumam fazer a irrigação de maneira alternada e controlada.

Produtores investem em irrigação para driblar as condições climáticas  — Foto: Reprodução/TVCAProdutores investem em irrigação para driblar as condições climáticas  — Foto: Reprodução/TVCA

Produtores investem em irrigação para driblar as condições climáticas — Foto: Reprodução/TVCA

Em uma propriedade rural de Campo Verde, a 139 km de Cuiabá, a irrigação é utilizada há dezessete anos. Porém, o pivô, equipamento usado para distribuição da água, é desligado entre os meses de junho e agosto para gerar economia na conta.

Com essa atitude, o produtor deixa de cultivar a chamada terceira safra. Em compensação, chegar a economizar cerca de R$ 200 mil em energia elétrica.

Em outra fazenda, também em Campo Verde, são mais de 300 hectares, onde são cultivados a soja, o milho e algodão. Entretanto, o plantio entre os meses de agosto e setembro, só é possível com a ajuda dos pivôs.

Agricultores afirmam que irrigação permite mais produção com maior tranquilidade — Foto: Reprodução/TVCA

Agricultores afirmam que irrigação permite mais produção com maior tranquilidade — Foto: Reprodução/TVCA

De acordo com o proprietário da fazenda, Sandro Gutierrez, a irrigação proporciona um certo conforto ao agricultor, porque não fica dependente apenas do período de chuva.

“A gente tem o conforto de fazer uma programação de plantio e conseguir bom resultado na germinação. Possibilita também o plantio de três culturas no ano, sem preocupação com a umidade de solo e desenvolvimento da planta “, comentou ele.

Dos dados da Agência Nacional de Águas (ANA) são diferentes do IBGE. Para a ANA, Mato Grosso ocupa a quinta posição na instalação de pivôs em lavouras.

Ainda segunda a agência, nos últimos 17 anos o crescimento da área irrigada foi de 751% com mais de 113 mil hectares. E a tendência é que cresça ainda mais.

Fonte: G1

IRRIGASHOW 2019 começa na próxima quarta-feira (4) em Campos de Holambra

Irrigashow Divulga (3).jpg
Com a presença confirmada do secretário da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Gustavo Diniz Junqueira, começa na próxima quarta-feira (4), às 9h30, o maior evento técnico de irrigação do Estado de São Paulo: o IRRIGASHOW 2019. Ministros ainda são aguardados, mas além do secretário da Agricultura, já confirmaram presença para a solenidade de abertura, representantes da Agência Nacional de Água (ANA) e do DAEE-SP, Sergio Ayrimoraes e Alceu Segamarchi Júnior, e o presidente da Frente Parlamentar de Agrotecnologia da ALESP, o deputado estadual Frederico D’Avila.
 
Criado com a proposta de fomentar a integração entre produtores irrigantes, empresários do setor, representantes da comunidade acadêmica, autoridades e lideranças, o IRRIGASHOW é também um dos principais acontecimentos do setor do País. Para se ter uma ideia, aproximadamente 50 grandes marcas do agronegócio adquiriram pacotes para expor produtos, serviços de ponta, com as melhores práticas de produção irrigada sustentável disponíveis.
 
QUALIDADE NAS PALESTRAS
 
Segundo avalia a diretora Executiva da Aspipp, a engenheira agrônoma Priscila Silvério Sleutjes, o evento desponta pela qualidade do conteúdo informativo oferecido aos participantes. “Sempre primamos em oferecer palestras técnicas de alto nível, inclusive com autoridades internacionais no assunto, o que atrai o interesse da comunidade acadêmica, de secretários e até ministros de estado, além de produtores e outros actantes do setor”, disse
 
Nesta 9ª edição, a ASPIPP quer superar ainda mais as expectativas do público, tanto que escalou palestrantes reconhecidos, como Max Gehringer, que encerrerá o ciclo nove grandes palestras técnicas e programou outros três ‘talkshows’ para que os participantes tenham a oportunidade de debater com palestrantes e especialistas. “Nosso intuito é oferecer ao máximo o acesso dos participantes, especialmente ao produtor irrigante, as informações, inovações e as novas práticas para a sustentabilidade e gestão de suas atividades”, enfatiza.
 
IRRIGAÇÃO NA REGIÃO
 
O Sudoeste Paulista é uma das regiões pioneiras em agricultura irrigada sustentável do Estado e do País. “O que temos hoje é um sistema de produção que gera impacto positivo para o planeta e que resulta da depuração de anos de busca pela tecnologia, de um trabalho iniciado na década de oitenta, quando instalamos os primeiros sistemas de pivôs de irrigação”, diz o atual presidente da Aspipp, Maurício Swart, em referência aos primeiros equipamentos de irrigação (pivô) instalados na região sudoeste paulista.
 
Atualmente, a ASPIPP conta com aproximadamente 120 produtores irrigantes associados, representando mais de 60 mil hectares de áreas de cultivo sobre irrigação, em 12 municípios da região. A entidade é uma das únicas do País que atua como difusora da agricultura irrigada sustentável, sendo um órgão ativo na articulação de políticas públicas de irrigação e referência em plantio sustentável, em diversos órgãos governamentais. “O sistema de irrigação que utilizamos é complementar e utiliza água de chuva acumulada em reservatórios e que, ainda sim, são protegidos por mata ciliar no seu entorno”, comentou.
 
INGRESSO SOCIAL
 
Para facilitar o acesso nos dias do evento, a ASPIPP disponibiliza seus canais de informação aos interessados em participar do IRRIGASHOW 2019. Contudo, as inscrições devem ser feitas até o dia 30 de agosto através do site oficial: http://www.irrigashow.com.br. Basta preencher o formulário e contribuir com 1 quilo de alimento não perecível (por dia de evento), cujos donativos serão destinados em igual parte para instituições benemerentes do município: APAE, Asilo e Creche.
 
 
SERVIÇO:
 
IRRIGASHOW 2019
 
4 e 5 de setembro | Paranapanema (SP)
 
(Acesso Rod. Raposo Tavares, KM 256 | Distrito de Campos de Holambra)
 
Ingresso Social: 1 quilo de alimento não perecível (por dia)