Plenário encerra sessão e adia análise de MP sobre irrigação

Imagem relacionada

O Plenário da Câmara dos Deputados encerrou há pouco, por falta de quórum, a sessão extraordinária na qual estava prevista a análise da Medida Provisória 824/18, que estimula projetos de irrigação. A MP impede que o agricultor perca a propriedade da área individual destinada a ele em projetos públicos de irrigação no caso de desrespeito às obrigações previstas em lei.

Pelo texto, o poder público não poderá retomar a área caso o imóvel esteja hipotecado a banco oficial responsável por financiar o agricultor irrigante no projeto público de irrigação. Neste caso, a retomada ficará a cargo da instituição financeira, a quem caberá comunicar o poder público da existência do crédito hipotecário.

De acordo com o projeto de lei de conversão do senador Eduardo Amorim (PSDB-SE), outras mudanças serão feitas na área, como a transferência da competência de formulação e condução da política nacional de irrigação do Ministério da Integração Nacional para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Anúncios

Sistema de Sensoreamento, controlador de irrigação por sensor e injetoras de fertilizantes

HIDROSENSE

A Hidrosense irá apresentar um Sistema de Sensoreamento por telemetria, chamado de Growsense. Trata-se de sensores para medir umidade de solo, ambiência (temperatura e umidade relativa do ar, irradiação, CO2, entre outros), sensores de vazão, que trabalham sem fio. Os dados são apresentados em tempo real numa plataforma web.

Além disso, outro destaque é o controlador de irrigação por sensor de umidade modelo MRI, que irriga segundo a necessidade da planta pois mede a umidade junto das raízes.

A empresa ainda irá apresentar os novos modelos da linha de injetoras de fertilizantes para fertirrigação HIDROFERTI, sendo uma versão com controlador de irrigação acoplado chamada de IRRIFERTI e outras duas versões compactas chamadas de HIDROFERTI MINI 20 e HIDROFERTI MINI 40. Essa linha de dosadoras traz um conceito de injeção de fertilizantes inovador, os quais possuem alta qualidade, desempenho e recursos somente encontrados em produtos importados, porém com preços atrativos.

Netafim inova em ferramenta digital de controle da irrigação na Hortitec 2018

Resultado de imagem para netafim imagens

A israelense Netafim, empresa pioneira e líder mundial em soluções de irrigação por gotejamento, participa da 25ª edição da Hortitec (Exposição Técnica de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivos), entre os dias 20 e 22 de junho, na cidade de Holambra/SP.

Na feira, considerada uma das maiores exposições do setor, a multinacional israelense apresentará sua mais recente tecnologia de controle digital, o NeatBeat, um software que permite controlar e monitorar todo o processo de irrigação na lavoura.

O sistema promete revolucionar a agricultura, já que acompanha em tempo real desde o planejamento de irrigação e nutrirrigação, até o rastreamento do crescimento das plantas e condições de solo, com apenas um clique. A ferramenta vai coletar e interpretar os dados, oferecendo recomendações que ajudarão na tomada de decisão dos produtores e, consequentemente, em safras mais produtivas.

“Assim, remotamente, o agricultor poderá programar as operações de manejo da irrigação, nutrirrigação, além de acompanhar informações de clima e solo”, explica Carlos Sanches, Diretor de Marketing da Netafim.

Aspersores

A empresa também apresenta novos aspersores durante a exposição. As novidades incluem o D-Net AA, aspersor de “arco ajustável” ou como é popularmente conhecido “aspersores setoriais”. Disponíveis para os modelos 8550 e 9575, os D-Net AA são ideais para aplicação nas bordas das áreas irrigadas, pois permitem escolher o ângulo sobre o qual os aspersores distribuirão a água.

Outro lançamento é o LWP 2450, aspersor de impacto de baixa pressão, sendo indicado para sistemas onde não há volume suficiente para utilização de aspersores convencionais, possibilitando uma irrigação de baixo custo energético ou mesmo por gravidade.

O HWP 2475, aspersor de impacto de alta vazão para sistemas onde o requerimento de espaçamento é até 20mx20m, também é outra novidade da Companhia. A tecnologia é ideal para distribuição de água com resíduos orgânicos nos quais a quantidade de sólidos suspensos na água requer bocais de maior diâmetro.

“Os hortifrútis são cultivos que já irrigam, e por isso, nossa proposta é potencializar as soluções e desenvolver tecnologias que sejam acessíveis a todos os agricultores, trazendo para essas culturas o conceito de sustentabilidade com a economia de água (de 30 a 60%), energia, insumos, mão de obra, tudo isso para tornar a vida do produtor mais fácil e eficiente”, explica Bruno Costa, Gerente de Produtos da Netafim.

O mercado de HF está entre as culturas foco para este ano. Em 2017, a operações em hortifrútis cresceram 83,3% com projetos de expansão nos distribuidores e o objetivo é continuar avançando.

Mais informações para os interessados em participar do evento podem ser obtidas pelo website: http://hortitec.com.br/site/

Município recebe 20 kits de irrigação para agricultura familiar

O prefeito do município de Porto Alegre do Norte, Daniel do Lago esteve dia 19, na Superintendência do Ministério de Agricultura onde assinou o termo de doação de 20 kits de irrigação, os equipamentos serão utilizados no município para fortalecer e desenvolver ações da agricultura familiar, ação esta que faz parte do programa local para desenvolver ações de emprego e renda, vale ressaltar que o município foi o único da região Norte Araguaia a ser comtemplado com os equipamentos.

Segundo a secretária de Agricultura, Silvana Breitenbach, os 20 kits de irrigação, foram obtidos através Ministério da Agricultura, eles possuem tecnologia israelense, e o sistema de irrigação por gotejamento permite economizar até 60% de água em relação aos equipamentos tradicionais, além de preservar mais o solo e melhorar a produção.

Silvana lembrou que entre os requisitos para os produtores serem beneficiados estão a existência de solos aptos para o desenvolvimento de culturas sob irrigação, além disso, ele precisa estar adequado aos dispositivos do Código Florestal e ainda há necessidade de disponibilidade de recursos hídricos sem o risco de conflitos com outros usos prioritários desse recurso.

Recentemente o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki, disse que “O programa do Mapa já demostrou ser vitorioso, com pouco investimento que os kits demandam, proporcionando a pequenos e médios produtores maior rentabilidade e acesso ao mercado consumidor”.

Fonte: Mato Grosso Mais

Cana: Valley alugará equipamentos de irrigação para produtores

Resultado de imagem para valley irrigação

A Valley, principal companhia global de irrigação, anunciou em Ribeirão Preto (SP) um projeto de aluguel de equipamentos aos produtores e usinas de cana-de-açúcar no País. O programa pretende reduzir investimentos nos acessórios, cujos valores na aquisição e manutenção são considerados altos e não prioritários para o setor, que enfrenta dificuldades financeiras há pelo menos uma década.

“Muitas usinas não têm a possibilidade de aplicar o capital de investimento na compra definitiva de pivôs irrigação. Por isso, desenhamos este projeto que consiste no aluguel de equipamentos, bem como um programa de capacitação que ensina os produtores sobre a melhor forma de utilizá-los para aumentar a produção e, consequentemente, a rentabilidade da lavoura, sem arriscar a descapitalização”, disse o gerente de contas para mercado de cana no Brasil e América Latina da Valley, Vinícius Maia.

A Valley, principal companhia global de irrigação, anunciou em Ribeirão Preto (SP) um projeto de aluguel de equipamentos aos produtores e usinas de cana-de-açúcar no País. O programa pretende reduzir investimentos nos acessórios, cujos valores na aquisição e manutenção são considerados altos e não prioritários para o setor, que enfrenta dificuldades financeiras há pelo menos uma década.“Muitas usinas não têm a possibilidade de aplicar o capital de investimento na compra definitiva de pivôs irrigação. Por isso, desenhamos este projeto que consiste no aluguel de equipamentos, bem como um programa de capacitação que ensina os produtores sobre a melhor forma de utilizá-los para aumentar a produção e, consequentemente, a rentabilidade da lavoura, sem arriscar a descapitalização”, disse o gerente de contas para mercado de cana no Brasil e América Latina da Valley, Vinícius Maia.

Segundo dados apresentados no evento pouco mais de 13% da área com cana no Brasil, ou 1,1 milhão dos 8,5 milhões de hectares, possui algum tipo de irrigação. Com o uso dos equipamentos, a produtividade da cultura pode até dobrar em alguns casos, segundo relatos de produtores.

Fonte: Estadão Conteúdo