Irrigação possibilita cultivo de cana-de-açúcar convencional e orgânica o ano todo

CANA

Investimentos em tecnologia e a busca por inovações são ferramentas indispensáveis para o ganho de produtividade em qualquer projeto agropecuário e no Grupo Jalles Machado, de Goianésia (GO) não é diferente.  A usina que surgiu como uma cooperativa no início da década de 80, ao longo dos anos se esforçou para diversificar os seus negócios e não depender exclusivamente das oscilações do mercado de etanol. Assim, o objetivo foi agregar valor aos seus produtos para não cair na vala comum das commodities.

Além da fabricação de etanol, o grupo tem ainda em seus negócios a produção de energia elétrica, levedura, produtos de higiene e limpeza e o açúcar convencional. Mas é na produção de cana orgânica, ou seja, cultivo livre de fertilizantes e qualquer tipo de agroquímicos, que a empresa vem ganhando espaço.

A aposta neste mercado transformou a Jalles Machado em uma das maiores produtoras de açúcar orgânico do mundo, sendo responsável atualmente por 20% de Market Share do produto globalmente com exportação na casa de 65 mil toneladas por ano. Deste total, praticamente 50% vai para os Estados Unidos. “Desde 2015 somos os maiores exportadores de açúcar orgânico no mundo. Com esse produto estamos em quatro continentes e em mais de 20 países, entre eles os Estados Unidos, trabalhando tanto o atacado quanto o varejo. Nosso grande parceiro no País é o Costco, a segunda maior rede de supermercados americana que utiliza a marca deles nos nossos produtos”, diz Henrique Penna de Siqueira, diretor comercial do grupo.

Atualmente, são duas unidades industriais que geram cerca de 3.700 empregos diretos e fazem da cana a principal atividade econômica do município. Uma das usinas leva o nome do grupo (Jalles Machado) e a mais recente, inaugurada em 2011, foi batizada de Unidade Otávio Lage, em homenagem a um dos fundadores da empresa. Com grande tecnologia, as duas usinas juntas moem atualmente 5 milhões de toneladas de cana por ano.

O caminho é a irrigação

 Para atingir um volume tão expressivo de produção, os investimentos do grupo não ficaram apenas nas unidades fabris, a empresa também focou em melhorar a produtividade de seus canaviais a fim de poder dispor de matéria prima com mais qualidade e assim tirar o máximo de proveito de suas usinas.

De acordo com Siqueira, a Jalles Machado sempre buscou ao longo de sua história melhorar os seus processos bem como a produtividade de seus canaviais e a irrigação foi uma dessas ferramentas que precisou ser implantada diante da necessidade. “Aqui na nossa região a cana-de-açúcar não nasce no período de seca senão tiver irrigação. De abril a outubro ficamos praticamente 180 dias sem ver um pingo d’água. Como começamos a cortar o produto partir de 1º de abril, se não irrigarmos a área um mês e meio depois, as plantas não crescem novamente e morrem. Sempre visamos operações eficientes do melhor uso da água e menor custo”, destaca.

Entre as soluções disponíveis no mercado o grupo escolheu as da Lindsay América do Sul, empresa com sede em Mogi Mirim (SP), referência mundial em irrigação. O grupo adquiriu pivôs centrais, fixos, lineares e também rebocáveis. “Fizemos um investimento na casa dos R$ 15 milhões nesses equipamentos. Posteriormente viemos a perceber que esses pivôs poderiam ser ainda melhores fazendo alta vazão, o que seria o mais adequado para a cana-de-açúcar por ser uma cultura com demanda hídrica superior a outras. Como esses equipamentos já eram mais altos e ideais para cana, implantamos a alta vazão, ou seja, a irrigação que chamamos de plena, que consegue suprir toda a demanda hídrica da planta”, explica Siqueira.

Para ser ainda mais eficiente, o grupo também se preocupou com a gestão de seus equipamentos e instalaram o FieldNET em seu processo. A tecnologia de grande potencial também disponibilizada pela Lindsay, possibilitou melhorias nos controles e gestão das usinas e proporcionou acesso a mais informações. Para auxiliar os profissionais foi montada uma sala exclusiva para controle de gestão dos pivôs. “Desde 2012 estamos explorando ao máximo essa ferramenta, que nos dá uma condição muito positiva de não perder tempo e estar sempre com o pivô funcionando. Quando há um problema somos avisados imediatamente. E desde então todo investimento que fazemos já é pensado e inserido nesse sistema de controle automatizado. A inteligência da ferramenta tem nos ajudado muito. A rapidez que recebemos as informações isso gera melhorias e redução de custos”, finaliza o diretor comercial.

Fonte: Grupo Cultivar

Anúncios

Agricultura vai apresentar projeto para reduzir desperdício

A Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento vai apresentar ao Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) um projeto que visa a redução de perdas e desperdício de alimentos em todo o Estado. A iniciativa, para marcar o Dia Mundial da Alimentação celebrado em 16 de outubro, é do Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional (Desan) em parceria com a Emater-PR, Ministério do Desenvolvimento Social e BRDE. - Foto: Arnaldo Alves / Arquivo ANPr

A Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento vai apresentar ao Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) um projeto que visa a redução de perdas e desperdício de alimentos em todo o Estado. A iniciativa, para marcar o Dia Mundial da Alimentação celebrado em 16 de outubro, é do Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional (Desan) em parceria com a Emater-PR, Ministério do Desenvolvimento Social e BRDE.

Estão sendo programadas ações de assistência técnica, capacitações e educação alimentar e nutricional com alunos, merendeiras, consumidores, usuários dos bancos de alimentos, agricultores e organizações da agricultura familiar, além de linhas de crédito diferenciados para organizações da agricultura familiar e municípios, pelo BRDE. A parceria deve ser oficializada em novembro, com início das atividades no próximo ano. O tema do Dia Mundial da Alimentação em 2018 é “Nossas ações são o nosso futuro. É possível #FomeZero até 2030”.

O secretário estadual da Agricultura, George Hiraiwa, reforça que o tema deste ano merece a reflexão de todos. “Em nosso país ainda são significativas as perdas e desperdícios de alimentos desde a produção até o consumo”, disse. Segundo ele, este novo projeto para redução de perdas e desperdícios de alimentos nas principais cadeias do Estado preenche uma importante lacuna nas políticas públicas. “Não basta produzir mais e melhor, precisamos aproveitar tudo com racionalidade e sustentabilidade”, afirmou.

No governo estadual, a Secretaria é a principal articuladora da Política Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional, por meio do Desan, que promove apoio técnico através de ações e programas em âmbito regional e local.

Para a diretora do Desan, Valéria Nitsche, é fundamental um maior conhecimento do direito constitucional à alimentação adequada, bem como a abrangência do conceito de segurança alimentar e nutricional. De acordo com ela, a segurança alimentar e nutricional é muito mais do que a higiene do alimento e do uso de boas práticas de manipulação. “O conceito se estende desde a melhoria das condições de produção no campo e geração de renda para os agricultores, passa pelo abastecimento, qualidade da água e solo, sustentabilidade, consumo e pós consumo. Com certeza, é a política de hoje e a do futuro”, diz.

No Desan são desenvolvidos importantes programas com foco na garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada e na segurança alimentar e nutricional como Leite das Crianças, Mais Renda no Campo, Apoio à Implantação de Restaurantes Populares e Cozinhas Comunitárias, Hortas Urbanas e Periurbanas.