Curso avançado: Manejo da Irrigação + Fertirrigação + Drones acontece em Piracicaba (SP)

hidrodinamica

Prepare-se para o Curso avançado: Manejo da irrigação + Fertirrigação + Drones.

Programa do Curso:

Métodos de Controle da Irrigação

Estação meteorológica x Tensiômetros. Evapotranspiração Definição, Métodos de Estimativa (PM-56 FAO), Coeficiente de Cultivo Kc, Coeficiente de Irrigação Localizada Kr e efeitos advectivos.

Tensiômetro Digital x Analógico

Princípio de Funcionamento do Tensiômetro Analógico e Digital, Tempo de Resposta, Condutância da Cápsula Porosa. Instalação do tensiômetro no campo. Exemplos Práticos de Manejo da Irrigação via tensiômetro em diversas culturas.

Drones: Imagens Aéreas de Alta Resolução

Características e especificações de drones multirrotores e asas fixas para irrigação de precisão; Conceitos em sensoriamento remoto e resoluções de sensores; Câmeras e sensores disponíveis para drones; Softwares para planejamento de missões automáticas; Preparação de planos de voos; Softwares para processamento de mosaicos de imagens; Análise de histograma e calibração radiométrica das imagens; Álgebra de bandas de imagens e geração de índices de vegetação (NDVI) e de stresse hídrico (CWSI). Alocação dos sensores de umidade no campo (tensiômetro, TDR e FDR) com base em imagens de alta resolução da área irrigada.

Física de Solos

Umidade do Solo–Capacidade de Campo e Ponto de Murcha Permanente. Curva de Retenção de Água no Solo. Capacidade de Água Disponível (CAD) e Balanço Hídrico de Água no Solo.  Coleta de Amostras Indeformadas de Solo.

Irrigação por Gotejamento / Microaspersão

Formação de Bulbos Molhados no Solo. Monitoramento e Controle do Entupimento de Emissores no Campo. Relações entre Uniformidade de Irrigação e Manejo da Irrigação.

Fertirrigação / Extratores de Solução do Solo

Teoria da fertirrigação. Extratores de Solução: Modelos e Operação no Campo. Monitoramento da Condutividade Elétrica (CE) da Solução do Solo. Mensuração de Nitrogênio, Potássio e pH da Solução. Monitoramento da Aeração do Solo.

Local: Piracicaba – SP

Coordenação:   Hidrodinâmica Irrigação

Público Alvo:   Engenheiros Agrônomos, Técnicos Agrícolas, Produtores Rurais e Estudantes.

Vagas Limitadas:   30 Alunos

Professor:  Dr. Rubens Duarte Coelho /ESALQ

                     Consultar Currículo Vitae 

ATENÇÃO: A vaga ficará garantida por 5 dias, contados a partir da data da inscrição, após este período será cancelada caso o pagamento não seja efetivado. Data limite para confirmação de participação no curso 15/Outubro/2018.

 

Duração do Curso – 2 Dias (12 horas–aula)

Datas: 19 e 20 Outubro 2018

Sexta Feira 19:00 – 22:30  e  Sábado 8:30 – 16:30 h

Local: Piracicaba-SP – Empresa Hidrodinâmica

Valor: R$ 900,00

Link para Download do folder do curso e instruções para inscrição 

Anúncios

Produtores de flores e morangos de Atibaia driblam estiagem com técnicas de irrigação

Resultado de imagem para Produtores de flores e morangos de Atibaia

A estiagem já prejudicou muito a produção de flores e de morangos de Atibaia, no interior de São Paulo. Mas, de uns anos para cá, os agricultores estão investindo em técnicas de irrigação e consumo de água.

A aposta no plantio de flores na região é grande: cerca de 25% da produção nacional sai de lá. Outro produto importante é o famoso morango: são mais de 4 mil toneladas colhidas por ano.

Na plantação da família de Thiago Tsuji mais de 50 mil vasos de dez espécies de flores diferentes são produzidos por mês. Mas não era assim há 5 anos, principalmente por conta da crise hídrica – a propriedade fica às margens do rio Atibaia, um dos que formam o Sistema Cantareira que, em 2013, chegou ao nível mais baixo da história.

Foi nesse período difícil que Thiago passou a captar água da chuva.

Aliada a novas tecnologias de irrigação, a economia de água fez a produção crescer.

Na propriedade, é o usado o sistema de espaguete, que são mangueiras bem fininhas ligadas diretamente nos vasos das plantas.

“É uma economia de água fantástica, a gente usa praticamente só o necessário”, conta Thiago.

No sítio de Oswaldo Maziero a produção também é baseada na economia de água. Ele cultiva 4 mil pés da fruta no sistema semi-hidropônico, com irrigação por gotejamento. O uso racional da água não afeta a produtividade e garante a qualidade dos produtos.

No mês de setembro, boa parte do que sai do campo na região é vendida na festa de flores e morangos de Atibaia, que movimenta mais de R$ 9 milhões em 12 dias.

Fonte: Globo Rural