Desafio para startups no agronegócio premia equipes com viagem para Vale do Silício durante Tecnoshow 2018

Desafio Agro Startup seleciona 12 proporstas para final de competição (Foto: Fredox Carvalho/Senar/Divulgação)

Doze propostas de novos negócios para o agronegócio participam da etapa final do Desafio Agro Startup. O vencedor será selecionado durante a Tecnoshow Comigo 2018, que ocorre entre os dias 9 e 13 de abril em Rio Verde, no sudoeste de Goiás. O prêmio para o primeiro lugar será uma viagem para o Vale do Silício, nos Estados Unidos da América (EUA).

As startups são propostas de negócios com produtos de baixo custo de produção e que possam ser ofertados com a mesma qualidade para grande grande número de pessoas. Essas são empresas que estão começando e representam oportunidade de investimento, já que têm potencial de aumentar o valor das ações rapidamente, como explica Christiane Taveira, presidente do Grupo NortON, aceleradora de startups.

“A startup tem potencial exponencial muito grande, até por atender muita gente com baixo custo de produção. Ela vai aumentando valor de acordo com performance dela. Os investidores ficam ligados porque é uma oportunidade de ganhar muito dinheiro. Para dar infraestrutura, promover um crescimento sustentável e viabilizar a operação elas passam por aceleradoras, que viabilizam tudo isso”, afirmou.

Superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural em Goiás (Senar), Antônio Carlos de Souza Lima Neto explica que o Desafio Agro Startup foi criado no intuito de estimular esses negócios que trazem soluções eficientes para o mercado. Segundo ele, mais de 110 ideias foram avaliadas durante o processo e, na última etapa, 12 concorrem pelos primeiros lugares.

“O desafio é um programa com objetivo de criar modelos de competição de negócios inovadores para, com a captação de investimentos e monitorias, incentivar esse público que contribui com desenvolvimento tecnológico de soluções para os produtores rurais”, afirmou.

Antônio Carlos disse ainda que as áreas de atuação dos projetos englobam as várias etapas de produção e comercialização dos produtos agropecuários.

“Os problemas que as startups do agro querem resolver estão, na sua maioria, no campo e é o produtor o maior afetado. A correta identificação dos problemas que precisam ser resolvidos fornecem insumos valiosos para que as tecnologias sejam integradas e consigam, ou amenizar, ou resolver os problemas desse mercado”, pontuou.

Confira as finalistas do Desafio Agro Startup

  • Bioagentes – Inserir no mercado produtos formulados, com boa estabilidade, período longo de prateleira e a baixo custo.
  • Boidez – Orientar os pecuaristas na compra, venda e controle da reprodução dos animais, oferecendo análise fenotípica por imagem.
  • Boom do Brasil – Utilizar o gás (GLP) para secagem dos grãos diretamente na propriedade, através de uma unidade móvel.
  • Cesto Orgânico – Promover a conexão entre produtores e consumidores de orgânicos através de uma ferramenta dinâmica e online provendo uma melhor qualidade de vida para o consumidor e um incremento na renda do produtor.
  • Dronent – Ajudar os agricultores na elaboração dos mapas de fertilidade do solo, através do uso de drones.
  • Pecus – Conectar, em segundos, criadores de gado que precisam de pastos aos proprietários de terra que possuem pastos ociosos, gerando ganhos para todos.
  • Monitorar – Monitorar o consumo de energia elétrica de irrigantes em tempo real.
  • Pec Insumos – Ajudar os produtores rurais a realizarem a aquisição de insumos agropecuários através de uma solução online de compras coletivas.
  • Qualimeat – Oferecer ao produtor acesso a uma plataforma de protocolos de produção automatizados, disponibilizando ao mercado um produto final com qualidade comprovada por meio de dados e evidências de um processo pautado pelas melhores práticas.
  • Implanta IT Solutions – Integrar investidores e produtores rurais por um crédito agrícola mais seguro, fácil e competitivo.
  • Resenhar – Identificar os equídeos (quantitativo e controle sanitário), possibilitando informação em tempo real, minimizando os erros cometidos na elaboração das resenhas.
  • Servitec – Gerar a oportunidade de empregador e profissional se fazerem visíveis um para o outro dentro do mercado do agronegócio, partindo da descrição do perfil profissional e experiência, possibilitando de forma imediata a contratação de serviços.

Tecnoshow 2018

Data: de 9 a 13 de abril
Local: Centro Tecnológico Comigo (CTC) – Rio Verde – GO (Anel Viário Paulo Campos, Km 7, Zona Rural)
Horário: 8h às 18h
Entrada gratuita

Desafio Agro Startup – Premiação
Data: 11 de abril
Local: Espaço Senar na Tecnoshow Comigo 2018
Horário: das 13h às 17h
Entrada gratuita

Fonte: G1

Anúncios

ONU estima que Brasil pode dobrar agricultura ‘sem chuva’ em seis anos

17mar20-matopiba-0290-kqpB-ID000002-1024x683@AGRO-Web.jpg

Uma publicação lançada na tarde desta terça-feira (20), no 8º Fórum Mundial da Água, em Brasília, pode revolucionar a agricultura brasileira. Desenvolvida pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), a obra destaca a possibilidade de expandir a área de agricultura irrigada no país dos atuais 6,2 milhões de hectares para mais de 11 milhões de hectares até 2024.

O trabalho foi solicitado pelo Ministério da Agricultura (Mapa) para repensar a expansão da agricultura irrigada de forma sustentável. “Esse estudo tem como foco fazer o Brasil ser o maior produtor de alimentos do mundo. Temos potencial para duplicar [a área irrigada] sem grandes investimentos”, afirma Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil.

As áreas com potencial de implementação imediata foram identificadas pela FAO em parceria com a Agência Nacional das Águas, Confederação Nacional da Agricultura, Embrapa, entre outros parceiros. Há disponibilidade de expansão do modelo de irrigação em 20 estados.

“Uma das principais regiões é o Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia)”, afirma Gustavo Kauark Chianca, um dos autores do estudo e assistente do representante da FAO no Brasil. Essa é uma das principais regiões produtoras de grãos no país.

Produtividade da agricultura irrigada

Ao todo, as lavouras ocupam uma área próxima a 65 milhões de hectares no Brasil, segundo o Mapa. Já o potencial de expansão da agricultura irrigada foi estimado em 29,5 milhões de hectares pela FAO. Isso sem contar partes das áreas de pastagem podem ser – e que hoje somam 160 milhões de hectares.

Segundo o estudo, a produtividade média em áreas irrigadas no país é pelo menos 2,7 vezes maior que a obtida através da agricultura tradicional de sequeiro, o que poderia triplicar o rendimento médio onde hoje predomina o sistema convencional.

“Até há pouco tempo falava-se em produtividade do solo. Agora precisamos de produtividade hídrica, utilizando racionalmente os recursos, e não falamos em expansão das áreas. Precisamos incentivar as áreas de irrigação onde seja possível”, destaca José Roberto Borghetti, coordenador geral do estudo.

Fonte: Gazeta do Povo